Entenda como "push-to-pass" é usado na classificação e na corrida

compartilhar
comentários
Entenda como
Por: Bruno Vicaria
4 de mai de 2012 15:26

Metodologia diferenciada de utilização do sistema gera nova forma de estratégia nas etapas, após banimento de reabastecimento e troca de pneus

Botão de ultrapassagem em destaque, na área vermelha do volante

Instituído em 2011 como uma alternativa para aumentar a quantidade de ultrapassagens e trazer mais emoção às corridas da Copa Caixa Stock Car, o "push-to-pass", injeção de força extra que acrescenta cerca de 100 cavalos de potência a mais no motor e ativado por meio de um botão no volante, logo de cara se transformou em um sucesso, aumentando vertiginosamente as disputas e ganhando aprovação unânime não só do grid, como do público em geral.

Para o segundo ano de utilização do sistema, a categoria passou a permitir o uso do popularmente chamado botão de ultrapassagem também na classificação, o que gerou uma forma de estratégia para o fim de semana, uma vez que a troca de pneus e o reabastecimento foram banidos do regulamento. Tudo isso por conta do método de uso do "push", que varia de classificação para a corrida, justamente para a não banalização do dispositivo: quem quiser ganhar potência extra na tomada de tempos terá de sacrificar a quantidade de acionamentos para a corrida. Além disso, a duração do sistema é bem mais limitada na tomada de tempos, o que obriga os pilotos a pensarem bem antes de usar e não cometerem erros.

Para a prova deste fim de semana no Velopark, a Comissão Técnica da Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA), instituiu o número de 20 ativações para a corrida. Esta quantidade varia de pista para pista, de acordo com as características de cada traçado. Cada uma dessas ativações tem a duração de 15 segundos. Caso o piloto opte em usar o "push-to-pass" na tomada de tempos, o número de ativações na corrida é automaticamente diminuído pela metade e o competidor passa a ter dez acionamentos disponíveis na classificação, com a duração de cada um sendo de apenas 20% em relação à corrida, de apenas três segundos. Em ambos os casos, o intervalo entre uma ativação e outra é de 80 segundos (1min20s) e a injeção de potência acontece cinco segundos após o pressionamento do botão.

De acordo com o regulamento, todas as equipes e carros devem obrigatoriamente informar até as 17h (de Brasília) da sexta-feira para a Comissão Técnica da CBA se utilizarão ou não o sistema no treino.

Próxima Fórmula 1 matéria
"Push-to-pass": usar ou não usar na classificação?

Previous article

"Push-to-pass": usar ou não usar na classificação?

Next article

Circuito curto faz organização mudar primeira fase de tomada

Circuito curto faz organização mudar primeira fase de tomada
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Bruno Vicaria
Tipo de matéria Últimas notícias