Equipes desconfiam de impacto sobre ultrapassagens de mudanças para 2019

compartilhar
comentários
Equipes desconfiam de impacto sobre ultrapassagens de mudanças para 2019
Scott Mitchell
Por: Scott Mitchell
19 de nov de 2018 18:09

Líderes alertaram que mudanças nas regras projetadas para melhorar ultrapassagens na próxima temporada podem ter impacto menor do que o esperado

Os carros da F1 de 2019 terão asas dianteiras e traseiras, dutos de freio e defletores simplificados, com o objetivo de melhorar a ação na pista, permitindo que os carros sigam uns aos outros mais de perto.

A FIA acredita que as mudanças reduziram o efeito da corrida no ar sujo, enquanto o diretor esportivo da F1, Ross Brawn, diz que as simulações sugerem um impacto "tangível" nas ultrapassagens.

A Renault levantou uma preocupação há alguns meses de uma mudança que não teria um grande impacto sobre as ultrapassagens, e ainda há algumas dúvidas sobre qual será o impacto real.

"O conceito que a FIA apresentou para tentar melhorar o rastro do carro à frente é a coisa certa", disse o diretor técnico da Renault, Nick Chester.

"Em um ano você não poderia fazer todas as mudanças que estão planejadas para 2021. Pelo que vimos até agora, acho que vai fazer uma pequena diferença.”

"Vai na direção certa, então será um pouco melhor, mas provavelmente teremos que esperar até 2021 para ver o que o pacote completo pode oferecer."

Um relatório anterior ao GP do Brasil sugeriu que uma equipe já havia recuperado o ganho aerodinâmico perdido por causa das novas regras.

No entanto, o desempenho aerodinâmico geral de um carro não necessariamente se correlaciona diretamente com sua capacidade de acompanhar outro de perto, pois isso depende de como sua asa dianteira interage com o fluxo de ar turbulento do carro à frente.

As equipes aceitam que as mudanças irão desencadear uma corrida de desenvolvimento à medida que recuperam uma quantidade significativa de desempenho aerodinâmico perdido, e o chefe de desempenho da Williams, Rob Smedley, teme que isso provavelmente negue quaisquer ganhos no longo prazo.

"Isso não vai acontecer, a física não permitirá que isso aconteça", disse Smedley.

"Então, você tem que aceitar que os carros são difíceis de seguir, especialmente com esta geração e a quantidade de downforce que eles geram.”

"Vai ser um pouco melhor, vai na direção certa, mas todos nós vamos interagir com soluções para nos levar de volta para onde estamos daqui a seis meses."

O engenheiro sênior da Ferrari, Jock Clear, disse que as pessoas teriam que ser pacientes para descobrir o efeito total da mudança de regras.

No entanto, ele reiterou a crença de que a F1 está "atacando as áreas certas".

"Vamos ter que esperar até o ano que vem para ver quais são as implicações", disse ele.

"É claro que 10 equipes vão apresentar 10 soluções, algumas das quais nem sequer pensamos e, em seguida, isso poderá mover as metas ligeiramente.”

"Corridas próximas não significam necessariamente que todos possam ultrapassar facilmente, mas significa que os carros podem seguir e pressionar uns aos outros.

"É isso que estamos mirando, apenas permitindo que os carros possam estar próximos de lutar no futuro".

Início de 2019 será para recuperar downforce perdido

As mudanças de regras para 2019 também foram apontadas para desencadear uma corrida entre equipes para recuperar o downforce perdido no início da temporada.

A convergência de projetos durante a era de asas frontais ultracomplexas da F1 significa que as equipes agora têm a oportunidade de ir em direções diferentes.

O chefe da Mercedes, Toto Wolff já sugeriu que a hierarquia pode ser invertida e Clear acredita que as equipes podem estar com problemas se um rival rouba uma marcha.

"Qualquer mudança, seja grande ou pequena, tende a impactar o programa, porque esses carros são muito desenvolvidos em torno do que você realmente tem no carro", disse Clear.

"Assim que você muda uma parte, ela dá um passo para trás, então acho que todos nós provavelmente já demos um passo para trás, quando olhamos para as novas regulamentações e então gradualmente nos recuperaremos.”

"Faremos o nosso melhor, vamos desenvolver o nosso melhor, mas se alguém fez um trabalho melhor, não será suficiente.”

Jonathan Eddolls, engenheiro-chefe da Toro Rosso, acredita que vai transformar o início da temporada em "uma corrida de desenvolvimento" à medida que as respectivas soluções das equipes surgirem.

Embora o início da temporada possa resultar em carros que parecem bem diferentes, uma unificação de conceitos é esperada mais cedo ou mais tarde.

O chefe de desempenho da Williams, Rob Smedley, disse: "Encontramos algumas direções bem claras de onde precisamos trabalhar para recuperar o desempenho.”

"Será muito, muito interessante, no início da temporada, ver os diferentes conceitos que surgem.”

"Então você provavelmente achará que haverá uma convergência muito rápida, como de costume, já que pegamos os melhores conceitos e misturamos isso no carro de Fórmula 1 normal."

Next article
Presidente do conselho da Nissan/Renault é preso no Japão

Previous article

Presidente do conselho da Nissan/Renault é preso no Japão

Next article

Hamilton correu melhor e guiou melhor que Vettel, crê Stroll

Hamilton correu melhor e guiou melhor que Vettel, crê Stroll
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Scott Mitchell