Ericsson admite “momento doloroso” ao sair da Sauber

compartilhar
comentários
Ericsson admite “momento doloroso” ao sair da Sauber
Valentin Khorounzhiy
Por: Valentin Khorounzhiy
Co-autor: Adam Cooper
7 de nov de 2018 19:50

Sueco admitiu que "dói um pouco" perder vaga na F1 no momento em que a equipe conquistou um lugar no meio do grid do campeonato

Marcus Ericsson está na Sauber desde 2014, marcando 18 pontos nesse período, mas ficará como piloto de reserva no ano que vem, com a equipe tendo Kimi Raikkonen e Antonio Giovinazzi como pilotos oficiais.

Com Raikkonen, ex-campeão mundial, e Giovinazzi assumindo a vaga como parte da parceria com a Alfa Romeo, Ericsson disse que entendia o pensamento da equipe, mas não escondeu sua frustração.

"É claro que foi difícil aceitar", disse Ericsson. “Eu pensei que ia ficar, mas obviamente eu também entendi as razões, com um piloto como o Kimi se tornando disponível, e o outro assento obviamente foi tomado [pela Ferrari].

“Para ter uma oportunidade de conseguir um piloto como o Kimi, é impossível não aproveitar essa oportunidade. Então eu entendo isso, embora seja decepcionante para mim e para minha carreira.”

“Sinto que estou aqui, trabalhando duro para o time em tempos muito difíceis. As pessoas estão deixando o time, e eu sempre me esforcei para tentar reverter isso, permanecendo positivo e nunca culpando a equipe por nada. ”

A Sauber se tornou uma equipe que briga por pontos com Ericsson e o companheiro de equipe, Charles Leclerc, nesta temporada, depois de passar dois anos no final do grid.

O C36, com um motor Ferrari um ano atrasado, foi o pacote mais fraco da F1 em 2017 por uma boa margem, e o progresso da equipe desde então impressionou muitos - com Otmar Szafnauer, diretor da Racing Point Force India, afirmando recentemente que a Sauber "superou" até mesmo as equipes líderes.

Ericsson continuou: “Eu tenho me esforçado muito para tentar ajudar a equipe a melhorar e sinto que fiz parte dessa jornada e parte desse processo.”

"E não ser capaz de continuar com isso, quando o carro finalmente está ficando competitivo e a equipe finalmente está ficando competitiva, dói um pouco, mas esse é o esporte em que estamos."

Ericsson combinará seu papel na Sauber com uma temporada inaugural na Indy no próximo ano, depois de ter assinado contrato com a Schmidt Peterson Motorsports (SPM).

A vaga na SPM deve dar a ele as ferramentas para competir pelos melhores resultados, já que a equipe venceu corridas em cinco das últimas seis temporadas da Indy.

“Apenas o pensamento de ir a uma corrida e saber que posso ganhar, me deixa muito empolgado, porque sinto muita falta disso”, disse Ericsson.

“Toda a minha carreira [antes da F1], todo fim de semana, tem a ver com tentar ganhar, e então por cinco anos isso nem passa pela sua cabeça.”

"E agora, quando aceitei que a F1 não vai acontecer no próximo ano, é algo que realmente me deixa animado, que no próximo ano eu poderei realmente ir para a primeira corrida e saber que se eu fizer um bom trabalho, eu posso realmente ganhar.”

Marcus Ericsson, Sauber C37

Marcus Ericsson, Sauber C37

Photo by: Zak Mauger / LAT Images

Next article
A F1 precisa se reinventar, diz diretor da Renault

Previous article

A F1 precisa se reinventar, diz diretor da Renault

Next article

Grosjean: economizar pneus e combustível não é para a F1

Grosjean: economizar pneus e combustível não é para a F1
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Pilotos Marcus Ericsson
Equipes Sauber
Autor Valentin Khorounzhiy
Tipo de matéria Últimas notícias