Ericsson afirma não saber razão de hiato sueco na Fórmula 1

Piloto da Caterham assegura talento dos pilotos vindos de sua terra natal, mas vê acidente de Peterson como marco negativo

Pela primeira vez em 23 anos a Suécia terá um piloto alinhando para uma corrida de Fórmula 1 no meio do mês de março deste ano, na Austrália. O responsável pela reestreia do país na categoria será Marcus Ericsson. Depois de quatro temporadas e apenas três vitórias na GP2, o piloto subiu de categoria e estará na Caterham o lado do japonês Kamui Kobayashi.

O último piloto sueco a participar de um GP foi Stefan Johansson, quando substituiu Alex Caffi durante a temporada de 1991, largando apenas no GP do Canadá. Falando ao TotalRace, Ericsson relembrou o passado da Suécia nas pistas e disse não saber por que seu país não tem representantes há tanto tempo.

“Já há um bom tempo que a Suécia não tem um piloto na Fórmula 1, já são 23 anos. Foi uma grande notícia na Suécia, estou muito feliz com isso. Tomara que isso continue crescendo durante o ano todo”, disse Marcus.

Para ele, o pior momento foi quando Ronnie Peterson morreu em 1978, na largada para o GP da Itália. “Acho que tivemos grandes pilotos, com muito talento, mas acho que isso vem de um pouco mais tempo, quando Peterson teve seu acidente e morreu. Acho que esse foi o pior momento para a Suécia”, lembrou o piloto de 23 anos.

“A partir daí foi difícil para os suecos, não tivemos aquela coisa natural que, por exemplo, a Finlândia tem, de quando um piloto para, vem outro e chega à F-1. No nosso caso, isso não aconteceu.”

“E, honestamente, não sei por quê. Tenho certeza que os pilotos da Suécia podem ser tão bons quanto qualquer um”, finalizou.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Pilotos Marcus Ericsson
Tipo de artigo Últimas notícias