Ex-preparador físico de Senna é preso por assédio sexual

Condenado pelo crime de violação sexual contra uma mulher, Nuno Cobra se apresentou à superintendência da Polícia Federal

Ex-preprador físico de Ayrton Senna, Nuno Cobra, foi preso pela Polícia Federal na tarde desta segunda-feira (11). Condenado no dia 6 de setembro pelo crime de violação sexual contra uma mulher, durante um voo em 2015, Nuno se apresentou à superintendência da PF em São Paulo.

De acordo com a própria vítima e testemunhas, Nuno, que estava sentado ao lado da moça, na época com 21 anos, começou a conversar com ela e, durante a decolagem, tocou seus seios e pernas “várias vezes”.

A juíza Raecler Baldresca, da 3ª Vara Federal Criminal de São Paulo, condenou o preparador físico de 79 anos a três anos e nove meses de prisão em regime inicial aberto, mas substituiu a pena para prestação de serviços à comunidade e prestação pecuniária (pagamento mensal de um salário mínimo) a entidade pública ou privada.

De acordo com a sentença, Nuno foi condenado por violação sexual mediante fraude e por meio que dificultou a livre manifestação da vítima.

De acordo com notícia publicada no site da ESPN, além da vítima do voo, outra mulher, uma jornalista, se apresentou à procuradora Ana Carolina Previtalli Nascimento, do Ministério Público Federal, dizendo também ter sido vítima de Cobra. A nova acusação ensejou o pedido de prisão.

A jornalista diz que, em agosto deste ano, após uma entrevista e na presença de outros colegas, Nuno apertou suas nádegas e esfregou seu órgão sexual nela, dizendo que homens possuem "energias sexuais", que "as mulheres deveriam compreender".

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Pilotos Ayrton Senna
Tipo de artigo Últimas notícias