F1 não teme assumir "riscos" ao promover novas corridas

compartilhar
comentários
F1 não teme assumir
Adam Cooper
Por: Adam Cooper
9 de ago de 2018 12:05

CEO da Fórmula 1, Chase Carey, diz que categoria pretende apostar em novos GPs, como o de Miami

Em vez do modelo tradicional de taxas de sanções, o GP de Miami será baseado em uma iniciativa de compartilhamento de risco entre a Fórmula 1 e o promotor local South Florida Racing, dirigido pelo bilionário Stephen Ross.

Para a F1, Miami está em um cenário maior, em termos de potencial de receita extra de áreas como hospitalidade no fim de semana, bem como uma ferramenta para a promoção do esporte nos EUA.

O movimento causou alguma consternação entre os promotores de corridas existentes, muitos dos quais já se comprometeram com os tradicionais acordos de longo prazo. No entanto, quando perguntado se o modelo de compartilhamento de risco de Miami poderia ser usado em outros lugares para novos eventos, Carey, que diz que há interesse dos “quatro continentes”.

Leia também:

“Realisticamente, toda corrida é única. Acho que as pessoas não percebem que, com frequência, esses eventos têm muito mais partes móveis do que apenas uma taxa, existem componentes de hospitalidade, componentes de patrocínio e outros componentes em torno deles”, explicou.

“Mas você olha para cada um em seus méritos. Quais são os benefícios econômicos diretos e certezas? Não temos medo do risco, se acreditarmos que há uma vantagem para o risco. Obviamente, podemos permitir isso. Nós gostamos de ter nossos promotores com a pele no jogo, é importante para eles ter a pele no jogo e estarem por trás disso.”

"Mas, se pensarmos que há oportunidades para ter um lado positivo tanto no evento em si, quanto em um nível muito mais amplo, avaliaríamos o assunto com base nos méritos. Nós não vamos virar o modelo de cabeça para baixo, mas se os retornos justificarem os riscos, acho que veríamos isso.”

"Observaríamos isso de maneira conservadora, então gostaríamos de nos sentirmos à vontade e, novamente, acho que não estamos procurando transformar nosso modelo, mas analisaríamos cada um deles com base nas características exclusivas do evento."

Carey disse que o calendário de 2019, que deverá apresentar 20 corridas, a menos que encontrem uma maneira para Hockenheim continuar, será publicado em breve.

“Esperamos finalizar nosso calendário de 2019, que esperamos ser muito parecido com nosso calendário de 2018, nas próximas semanas, à medida que terminamos com sucesso os contratos de renovação.”

"Já estamos direcionando nossas energias para o calendário de 2020, e estamos particularmente empolgados com várias oportunidades de adicionar novos eventos que acreditamos que realmente capturarão a imaginação dos fãs e serão amplamente apoiados.”

"Na verdade, estamos discutindo ativamente oportunidades em quatro continentes. Uma potencial corrida em Miami é uma delas."

Em relação ao adiamento da primeira corrida de Miami até 2020, Carey disse: “Inicialmente, a corrida de Miami estava marcada para o final de 2019, que sabíamos ser apertada, especialmente para uma corrida de rua em que temos que lidar com muitos problemas locais.”

Próxima Fórmula 1 matéria
Contratar Alonso não seria saudável, diz Red Bull

Previous article

Contratar Alonso não seria saudável, diz Red Bull

Next article

Villeneuve: pai de Stroll “fechou o caixão” da Williams

Villeneuve: pai de Stroll “fechou o caixão” da Williams
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Adam Cooper
Tipo de matéria Últimas notícias