F1 pensa em dividir calendário em regiões no futuro

compartilhar
comentários
F1 pensa em dividir calendário em regiões no futuro
Jonathan Noble
Por: Jonathan Noble
Co-autor: Adam Cooper
5 de mar de 2018 11:31

Chefes da categoria dizem querer realizar corridas próximas geograficamente no mesmo momento do ano

Flags
Sean Bratches, Managing Director of Commercial Operations, Formula One Group
Rear of the grid just before the lights go out
Sean Bratches, Managing Director of Commercial Operations, Formula One Group, Chase Carey, Chairman,
Max Verstappen, Red Bull Racing RB14
Sebastian Vettel, Ferrari SF71H
Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 W09

Dona da Fórmula 1, a Liberty Media tem planos para mudar o calendário da categoria no futuro. Os chefes da organização acreditam que juntar as corridas em localidades próximas possa fazer crescer a popularidade do campeonato e reduzir custos.

No entanto, os desejos da Austrália de permanecer como abertura e de Abu Dhabi permanecer como última prova complica o plano.

"Do ponto de vista das aspirações, sou um otimista – mas também sou realista. E, com base em alguns compromissos contratuais que temos, e com base em problemas climáticos, teremos algum tempo ainda antes que possamos chegar lá - se pudermos", disse Sean Bratches, chefe comercial da F1, ao Motorsport.com.

"Estamos tentando apontar esse navio nessa direção, o que será muito melhor para os fãs, porque podemos navegar por um período de tempo no mesmo fuso horário.”

"Também será mais eficiente para a F1 evitar viagens caras, e também criará oportunidades do ponto de vista do patrocínio, porque se alguém quiser ativar na Europa, nas Américas ou na Ásia, é difícil de fazer na medida que fazemos isso agora."

Embora a expansão do calendário tenha sido um objetivo da Liberty Media desde o início, o chefe da F1 Chase Carey minimizou a probabilidade de um cronograma de 25 corridas.

O Vietnã, a Argentina e uma segunda corrida dos Estados Unidos, em Miami, estão entre as potenciais novas adições, embora nenhum acordo tenha sido concluído. O calendário pode ser ampliado para até 25 eventos, embora as equipes frequentemente tenham expressado preocupações sobre o impacto que isso teria sobre seus funcionários.

"Nós não temos um número alvo de corridas", disse Carey.

"Nós certamente podemos adicionar corridas, temos muitos lugares que gostariam de ter corridas – nem sempre colocamos aquilo que consideramos. Mas acho que na verdade existe um número já bastante positivo para nós.”

"Mas eu acho que nosso foco real é garantir qualidade e quantidade. Temos a capacidade e os direitos de adicionar corridas e, em última instância, podemos ir para 25. Mas eu acho que nosso foco neste ponto é conseguir que as corridas sejam o que deveriam ser.”

"Não é apenas a corrida, mas a estrutura, as parcerias locais, o próprio evento, as cidades que o apoiam e o apoio público. Penso que continuaremos desenvolvendo essas oportunidades na medida que lidamos com renovações."

Carey sublinhou que nem todos os locais de 2018 estão seguros a longo prazo.

"Alguns deles são acordos curtos. A Alemanha está de volta neste ano, mas é um acordo de curto prazo", disse ele.

"Temos oportunidades interessantes, se quisermos".

Próxima Fórmula 1 matéria
Opinião: Como seria a aposentadoria para Lewis Hamilton?

Previous article

Opinião: Como seria a aposentadoria para Lewis Hamilton?

Next article

Wolff nega que Mercedes ceda motores diferentes a clientes

Wolff nega que Mercedes ceda motores diferentes a clientes

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Jonathan Noble
Tipo de matéria Últimas notícias