F1 vai eliminar sistema de tokens a partir de 2017

Fabricantes não terão mais limites para desenvolver suas unidades de potência durante a temporada

Segundo apurou o Motorsport.com, o sistema de tokens será banido da F1 a partir de 2017. A mudança significa que os quatro fabricantes não terão limites para desenvolver seus motores. 

A mudança foi uma das principais concessões feitas às fabricantes para que elas concordassem em reduzir os custos para fornecer as unidades de potência aos demais times do grid.

Todas as equipes terão que justificar seus gastos ao fazer suas próprias unidades, sem repassar os custos para os times clientes.

Em 2016 as equipes trabalharão com 32 tokens cada. Esse número diminuiria para 25 em 2017, 20 em 2018 e, em seguida, 15 em 2019, o que deixará de acontecer.

"O sistema de tokens está sendo retirado", disse Cyril Abiteboul hoje. "Uma das razões para fazermos isso é que precisamos desenvolver mais nossos motores."

"Uma F1 que apenas se dedica a à performance do motor não é boa para ninguém."

"Você observa que não é bom para a Mercedes, para a Renault, para a Ferrari - todos nós temos interesse em mudar isso."

Abiteboul também deu outros motivos para a mudança.

"Tomamos esta decisão também por causa do público, para não ficar ainda mais confuso entre o que é o sistema de penalização e o uso de tokens."

Outro sistema que foi abolido já para 2016 foi a regra de que algumas partes de um motor tivessem seu desenvolvimento limitado ou como popularmente chamado de partes "congeladas."

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias