Fernando Alonso: 'Equipes nanicas' são fundamentais na Fórmula 1

Espanhol torce pela recuperação de Caterham e Marussia, que já desfalcaram o grid da F1 nas duas últimas corridas

Alonso deseja a recuperação das equipes pequenas
A crise enfrentada pela Fórmula 1 nos últimos meses mobiliza a todos no paddock. Quem saiu em defesa das equipes ‘nanicas’, desta vez, foi Fernando Alonso. O atual piloto da Ferrari, nesta sexta-feira, defendeu os times de menor investimento e os classificou como ‘fundamentais’ na categoria máxima do automobilismo mundial.
 
[publicidade]“Eu comecei em uma equipe pequena, a Minardi, e todos os pilotos deveriam ter a mesma oportunidade de iniciar a carreira em equipes pequenas. Precisamos de todos nesse esporte: mais equipes e mais coisas acontecendo ajudariam a Fórmula 1”, declarou o espanhol, esperançoso de uma solução.
 
“Espero que encontrem uma solução. Não sei exatamente quais são os problemas e quais as possíveis soluções, mas sei que todos estão tentando encontrar uma solução e tenho certeza que farão o melhor pelo esporte. Estamos aqui para apoiar essas equipes”, completou.
 
Caterham e Marussia foram desfalques nas duas últimas etapas do Mundial de Fórmula 1 (Austin e São Paulo). As duas se encontram em momentos delicados e sem uma projeção para a próxima temporada – embora ambas estejam inscritas para o campeonato de 2015.
 
A Caterham garantiu, nesta sexta-feira, que estará presente no encerramento deste ano, marcado para o próximo dia 23, no GP de Abu Dhabi. A Marussia, por outro lado, decretou falência durante o final de semana do GP Brasil e parece longe de uma solução em curto prazo.
 
Para obter o dinheiro necessário a fim de garantir a participação nos Emirados Árabes Unidos, a Caterham apelou até para um ‘crowdfunding’, a popular ‘vaquinha’. Mesmo sem atingir a meta, o time assegurou a viagem para a última etapa do campeonato.
 
Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias