Ferrari estima ganho de 10 cv com novo motor de 2018

compartilhar
comentários
Ferrari estima ganho de 10 cv com novo motor de 2018
Por: Franco Nugnes
21 de mar de 2018 11:42

Equipe acredita ter aumentado durabilidade e potência da nova unidade, mas se mostra atenta ao consumo de combustível

Sebastian Vettel, Ferrari SF71H
Sebastian Vettel, Ferrari SF71H
Jo Bauer, FIA Technical Delegate watches Sebastian Vettel, Ferrari SF71H in pit lane
Sebastian Vettel, Ferrari SF71H
Sebastian Vettel, Ferrari SF71H
Sebastian Vettel, Ferrari SF71H
Kimi Raikkonen, Ferrari SF71H
Kimi Raikkonen, Ferrari SF71H

A Ferrari acredita ter obtido um ganho de 10 cv com seu motor de F1 em 2018, apesar do aumento das demandas de confiabilidade para esta temporada.

Enquanto os pilotos estarão limitados a somente três unidades de potência para todas as 21 corridas da temporada, as fabricantes tiveram de trabalhar duro para aumentar a durabilidade e melhorar os componentes para garantir que eles durem sete GPs completos.

A Ferrari estabeleceu uma meta mínima de igualar a potência de seu motor de 2017 no início desta temporada, mas fontes sugeriram que foi possível ter ganhos na especificação 062EVO, que será usada em Melbourne.

Sob a coordenação do chefe de motores Corrado Iotti, foi feito um esforço específico para aumentar a performance em baixa e média velocidades, onde havia maior potencial para benefícios em termos de tempo de volta.

Algumas mudanças foram feitas, com o sistema de turbocompressor ficando mais leve. Acredita-se que ele tenha um impulso melhor com uma resposta mais curta e com uma forma mais eficiente de carregar o MGU-H.

Com a redução do uso de motores neste ano, outro foco foi garantir que a segunda especificação entregue um ganho decente de performance e que possa permitir que a equipe lute com a Mercedes.

A Ferrari está ansiosa para ver como seu atual motor se compara ao dos alemães, especialmente nos chamados “modos de classificação” que são usados na definição do grid.

Uma preocupação da equipe, porém, é o fato de que o aumento de peso para 2018, aliado ao maior tempo com acelerador cravado nas corridas, faça com que haja o aumento do consumo de combustível – algo que pode ser um problema em pistas como Melbourne. 

Próxima Fórmula 1 matéria
Titânio reforçado, testes e precisão: os detalhes do halo

Previous article

Titânio reforçado, testes e precisão: os detalhes do halo

Next article

FIA acrescenta terceira zona de DRS para GP da Austrália

FIA acrescenta terceira zona de DRS para GP da Austrália

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Ferrari Shop Now
Autor Franco Nugnes
Tipo de matéria Últimas notícias