Ferrari quer motores que "arrepiem os cabelos de metaleiros"

Chefe da Scuderia pede revolução nas regras para que a Fórmula 1 fique mais próxima dos anseios dos fãs

Em um momento em que as equipes da Fórmula 1 discutem formas de melhorar o espetáculo e aumentar o público, que vem caindo nos últimos anos, o novo chefe da Ferrari, Maurizio Arrivabene, pediu uma revolução: o italiano quer que a categoria se aproxime mais dos fãs e que tenha carros bonitos e barulhentos.
 
[publicidade] "Eu quero ver em, em 2017, um carro que conquite os fãs, mais próximo das pessoas, esteticamente mais bonito, talvez com um ruído que chegue a arrepiar os cabelos de uma banda de heavy metal", afirmou o dirigente.

"Acredito que seja necessária uma verdadeira revolução e não simplesmente uma evolução: mudanças significativas e radicais. Refiro-me a mais potência, mais velocidade, não necessariamente utilizando tanques maiores, mas certamente operando uma redução de custos de componentes que, para o público, são de pouco interesse."

Outra ideia de Arrivabene, que assumiu o controle da Scuderia no final do ano passado, é promover entrevistas coletivas e apresentações com a presença do público em geral e em eventos fora dos circuitos.

"Ser mais próximo das pessoas significa levar a Fórmula 1 para o meio das pessoas, talvez fazendo uma entrevista coletiva e as apresentações dos pilotos e das equipes nas quinta-feiras antes dos GPs em um ambiente público e não no circuito. As cidades que recebem a categoria poderiam fazer um evento."
 
Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias