Ferrari trabalha em novos materiais para fabricação de motor 2019

compartilhar
comentários
Ferrari trabalha em novos materiais para fabricação de motor 2019
Franco Nugnes
Por: Franco Nugnes
19 de dez de 2018 12:52

A unidade de potência 2019 da Ferrari possuirá várias partes estruturais que não são fabricadas por fusão seletiva a laser. O time utilizará novas tecnologias que usam pó metálico.

A Mercedes ainda está no topo, mas a Ferrari não quer ficar para trás. Em Maranello, o time está pronto para elevar o nível na batalha de motores com uma empolgante aposta de materiais e tecnologias que podem melhorar sua eficiência.

No chamado ‘projeto 670’ (carro da Ferrari para 2019), haverá uma unidade de potência derivada dos 6 cilindros que igualou e às vezes ultrapassou a M09 EQ Power + da Mercedes.

Corrado Iotti, chefe de motores da equipe há um ano, teve o mérito de fortalecer a unidade de potência de 2017, que sofreu alguns altos e baixos e prejudicou bastante a equipe no fim do mundial daquele ano.

O regulamento de 2019 relativo a motores permanece estável. Os carros terão apenas 5 kg a mais de combustível (indo de 105 a 110 kg) de capacidade máxima. De acordo com as simulações, a potência será aumentada em 3% (mais 20 cv), mas será importante manter a confiabilidade, uma vez que apenas três motores por temporada ainda são permitidos.

Mas agora parece que a Ferrari, graças às máquinas modernas da empresa Renishaw, mudou a maneira de fazer o motor de 6 cilindros da F1, sem fusões e outras modificações.

A Scuderia explora cada vez mais os sistemas de produção de aditivos, que usam pó de metal para construir componentes diretamente do projeto assistido, graças à tecnologia de fusão do leito de pó.

Simplificando, poderíamos dizer que a Ferrari usa sofisticadas "impressoras 3D" AM Renishaw. Mas não apenas isso para criar peças com geometrias cada vez mais complexas e paredes muito finas que dificilmente poderiam ser feitas com métodos mais tradicionais.

A adoção de novas ligas de alumínio permite que Guido di Paola, principal projetista do motor, crie uma cabeça de cilindro mais leve, capaz de suportar as maiores tensões que ocorrerão na câmara de combustão devido ao aumento de combustível.

O objetivo será aumentar ainda mais a pressão na câmara, usando um mapa que degradará a mistura de ar e gás em busca de desempenho, sem ter que lidar com detonações perigosas. Os novos metais proporcionarão maior rigidez estrutural à cabeça do cilindro, enquanto uma gasolina especial da Shell também evitará detonações com uma função clara de resfriamento do pistão.

Na Ferrari 670, que tem Enrico Cardile como gerente de projeto, há uma tentativa de reduzir o arrasto (resistência do ar ao avanço). Além de um arranjo diferente do sistema de refrigeração. É o desejo de aproveitar a maior eficiência dos 6 cilindros.

A introdução de novas ligas e a produção de peças de maneira diferente deve permitir a criação de um motor mais extrema com a concentração de certos pós de metais apenas em determinados pontos e não em outros.

Alguns detalhes requerem processamento por alguns dias, portanto, durante o processo, você pode adicionar o novo pó à máquina sem interrupções ou tempo de inatividade, para que 95% dos pós metálicos não utilizados sejam recuperados e reutilizados.

Tudo isso acelera muito o tempo de desenvolvimento. O que se fazia anteriormente em meses ou semanas, agora é feito em poucos dias. Pode ser entendido, portanto, por que cada motor dos três permitidos em uma temporada pode ser totalmente diferente daquele que foi previamente montado. Mudanças na durabilidade e no desempenho podem ser adotadas em menos tempo.

Nos últimos dois anos, a F1 introduziu fábricas de equipamentos de tecnologia 4.0, e agora eles estão prontos para fabricar e modificar carros em muito menos tempo.

E, portanto, o desafio não se limitará apenas à qualidade dos carros, mas também à velocidade com que eles podem se desenvolver em relação à competição. Quem durante a temporada souber como avançar mais que seus rivais, dará a seus pilotos uma vantagem competitiva realmente importante.

Next article
Red Bull: Com orçamento atual, é impossível que Renault lute com Mercedes e Ferrari

Previous article

Red Bull: Com orçamento atual, é impossível que Renault lute com Mercedes e Ferrari

Next article

Albon se inspira em Rossi para escolha de número permanente da F1

Albon se inspira em Rossi para escolha de número permanente da F1
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Pilotos Sebastian Vettel Shop Now , Charles Leclerc
Equipes Ferrari Shop Now
Autor Franco Nugnes