Force India: Planos de 2021 devem acabar com grid desigual

Diretor da equipe apoia teto de gastos, mas acha que será difícil para times grandes concordarem

A visão da Fórmula 1 para impedir a escalada de custos e evitar os níveis de performance discrepantes existentes no grid atual tem dividido opiniões no paddock da categoria.

A Liberty Media e a FIA apresentaram suas propostas às equipes no início deste mês no Bahrein, incluindo um limite de custos e uma modificação na distribuição dos fundos.

Mercedes, Ferrari e Red Bull têm o monopólio das vitórias em corridas desde 2013, enquanto a quarta melhor equipe do ano passado, a Force India, nem sequer conseguiu um pódio.

Otmar Szafnauer, diretor de operações da Force India, disse ao Motorsport.com que os planos de 2021 da F1 "devem se livrar das corridas em dois níveis", que dividem as três principais equipes de McLaren, Renault, Williams, Toro Rosso, Sauber, Haas e Force India.

Ele acredita que a F1 pode se transformar de um campeonato em que "a pessoa que pode gastar vence, para, no futuro, o campeonato que a pessoa que gasta de maneira mais inteligente vence".

"Os dois níveis são definidos pelo orçamento", disse Szafnauer. "O que nos restringe é o orçamento que temos, que não nos permite fazer muitas experiências para produzir o que é ideal”.

"Se você não tem o orçamento para produzir instantaneamente, fica na pista desde o momento em que você encontrou a melhoria.”

"Se você tiver o dinheiro, terá as peças amanhã. Você terá uma base de fornecedores maior ou comprará a máquina para fazer isso.”

"Quando o limite de custos chegar, e todos nós estivermos gastando a mesma quantia, todas essas coisas vão embora. Isso deve unir o grid."

O chefe de automobilismo da Mercedes, Toto Wolff, disse que o limite orçamentário proposto de 150 milhões dólares não é viável para as maiores equipes da F1, com sua equipe, a Ferrari e a Red Bull gastando mais que o dobro disso em 2017.

Szafnauer discordou, citando a capacidade da Force India de terminar em quarto lugar dois anos seguidos com um orçamento abaixo do limite de custo sugerido.

"Eu acho que o número é sensato", disse ele. "Nos últimos dois anos, fomos a equipe em quarto lugar e gastamos significativamente menos do que essa meta.”

"Você precisa se comprometer. Talvez o compromisso certo seja todos estarem igualmente felizes ou igualmente infelizes. Para nós, o alvo deve ser menor, mas isso seria injusto para outra pessoa."

Ele disse que peças padronizadas também melhorariam o custo máximo de 150 milhões dólares em 2021.

A F1 estabeleceu um prazo até maio para o estabelecimento das especificações de motor a partir de 2021, mas os elementos restantes, como um limite orçamentário, levarão mais tempo para serem definidos.

Parte do problema para fabricantes como Mercedes, Ferrari e Renault é que eles têm programas de motor para financiar, bem como equipes de corrida.

Espera-se que os orçamentos dos motores, os gastos com marketing das equipes e os salários dos pilotos estejam independentes deste teto.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias