Gasly revela choro de presidente da Honda após GP do Bahrein

compartilhar
comentários
Gasly revela choro de presidente da Honda após GP do Bahrein
Jonathan Noble
Por: Jonathan Noble
7 de jun de 2018 21:47

Francês diz que representante da fabricante japonesa não conteve as lágrimas após o quarto lugar na corrida de Sakhir

Pierre Gasly, Toro Rosso STR13
Pierre Gasly, Toro Rosso STR13
Pierre Gasly, Toro Rosso STR13
Pierre Gasly, Toro Rosso STR13
Pierre Gasly, Toro Rosso, on the grid
Pierre Gasly, Toro Rosso STR13, leads Nico Hulkenberg, Renault Sport F1 Team R.S. 18, and Stoffel Vandoorne, McLaren MCL33
Pierre Gasly, Toro Rosso STR13, leads Nico Hulkenberg, Renault Sport F1 Team R.S. 18 and Max Verstappen, Red Bull Racing RB14
Pierre Gasly, Scuderia Toro Rosso
Pierre Gasly, Toro Rosso, talks with Carlos Sainz Jr., Renault Sport F1 Team, and Sergio Perez, Force India
Pierre Gasly, Scuderia Toro Rosso STR13
Pierre Gasly, Scuderia Toro Rosso STR13

Pierre Gasly considera que a prova de que a Honda está feliz com seu ressurgimento na F1 foi dada quando o presidente da empresa “chorou” após os pontos marcados no GP do Bahrein.

Depois de três anos tensos com a McLaren, a Honda vem tendo um começo de relacionamento mais positivo com a Toro Rosso em 2018, incluindo uma atuação estelar de Gasly em Sakhir, quando foi quarto colocado.

O piloto francês afirmou que a chave para seu progresso tem sido um ambiente de trabalho positivo, o que teve início quando guiou pela fabricante japonesa na Super Fórmula, no ano passado. 

“Com certeza isso ajudou minha compreensão ao trabalhar com japoneses”, disse Gasly, em entrevista ao Motorsport.com. “É uma cultura completamente diferente da nossa na Europa.”

“Em termos de comunicação, você precisa dizer coisas a eles de certa forma. Isso me ajuda com os engenheiros japoneses. Então, acho que trata-se mais de apoio, e eles me apoiam muito. No ano passado, fui o único piloto da Honda no top 8, lutando pelo título.”

“Neste ano, no Bahrein, o presidente da Honda chorou, e as pessoas japoneses não choram com muita frequência! O vice-presidente estava em Mônaco. Eles estão muito felizes, com certeza.”

“Ainda temos um pequeno déficit de motor, então vou tentar motivá-los para que tentemos alcançar os outros o quanto antes.”

Gasly está ciente de que a Honda ainda tem muita margem para melhora, mas acredita que a empresa japonesa sabe exatamente o que é preciso ser feito. 

“Não sou um engenheiro, então não tenho a resposta sobre o que precisamos fazer com o motor para fazê-lo funcionar. O que posso fazer é justamente motivar as pessoas, dar informações precisas sobre o que é bom e sobre o que não é com base no que sinto dentro do carro.”

“Infelizmente, não tenho o segredo da Ferrari ou Mercedes, que têm um motor realmente forte. Com certeza, a relação que tenho no momento com eles é muito boa; a Toro Rosso também está fazendo seu melhor para ter uma comunicação muito boa com eles, porque sabemos que é disso que precisamos se quisermos progredir.”

“Até agora, a confiabilidade tem sido muito melhor do que no ano passado. Em termos de performance, eles estão progredindo. Ainda estamos atrás, mas eles estão fazendo tudo o que é possível para alcançar os outros. Espero que os alcancemos em breve. No momento, as coisas estão indo bem.”

Entrevista por Laurent-Frederic Bollee e Benjamin Vinel

Próxima Fórmula 1 matéria
Quatro coisas que estarão em jogo no GP do Canadá de F1

Previous article

Quatro coisas que estarão em jogo no GP do Canadá de F1

Next article

Villeneuve guia Ferrari do pai antes do GP do Canadá

Villeneuve guia Ferrari do pai antes do GP do Canadá

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Pilotos Pierre Gasly
Equipes Toro Rosso
Autor Jonathan Noble
Tipo de matéria Entrevista