GP de Miami da F1 enfrenta votação crucial nesta quinta

Programada para 2019, segunda prova nos EUA terá aprovação pela prefeitura da cidade decidida amanhã

Cinco comissários da cidade de Miami irão votar nesta quinta-feira se o projeto do GP de Fórmula 1 no local será aprovado ou não. Apenas três votos são necessários para a aprovação da corrida.

A resolução permite que o empresário Emilio González prossiga com as negociações com a F1.

Comissário de Miami, Ken Russell, cujo distrito 1 da orla marítima inclui o layout do circuito proposto, não foi um dos três convidados a patrocinar a resolução. No entanto, ele indicou que vai apoiar o projeto.

"A cidade de Miami tem uma marca muito importante que acreditamos estar a par da F1", disse ele ao Motorsport.com. "Nós achamos que os fãs da F1 vão gostar de ver uma corrida aqui. Estamos otimistas, e quinta-feira será o primeiro passo para as discussões."

"O porto fará uma pista muito emocionante, com a ponte. Você está conectado a dois terrenos com uma vista bastante empolgante. E, portanto, é um bom acréscimo à corrida. Logisticamente, também facilita a implementação em relação ao fato de o centro ser muito congestionado."

A Liberty Media, proprietária da F1, sugeriu que a corrida de Miami não seguirá o modelo tradicional com seu promotor – neste caso, o bilionário Stephen Ross – pagando uma taxa substancial.

Um documento de proposta para o evento observa que "seguindo a orientação de Miami, um modelo comercial atípico está sendo desenvolvido para permitir que a corrida ocorra".

Algumas fontes sugerem que isso poderia envolver alguma forma de risco ou compartilhamento de receita entre a F1 e o promotor, ou mesmo ser um "acordo livre" nos moldes do acordo com Mônaco.

O chefe da F1, Chase Carey, se recusou a dar detalhes quando perguntado hoje em uma teleconferência da Liberty, mas ele confirmou que a corrida terá um acordo diferente.

"Cada negócio é único", observou Carey. "Realisticamente, não é um negócio concluído. Obviamente, temos alguns passos a seguir. Mas cada negócio é único, e acho que sabíamos que entrar no mercado dos EUA traria aspectos únicos”.

"Todos assumem que esses acordos são como uma música de uma nota, mas realisticamente há muitas partes, como patrocínios e hospitalidade, além de outros componentes que entram em cena pelo fato de você ter uma corrida na rua em vez de na pista.”

"Na verdade, é uma estrutura que nos dará uma corrida realmente empolgante, tanto como proposta para os fãs, como uma proposta de negócios. Acreditamos que isso vai acontecer e esperamos que seja bom. "

A F1 sugeriu primeiramente a largada às duas da tarde, e o plano original era para uma data no final de junho de 2019, para acompanhar o GP do Canadá. Uma das principais razões para isso seria evitar a temporada da NBA, porque a American Airlines Arena – sede do Miami Heat – está localizada no meio da pista da F1.

No entanto, agora a data proposta para a corrida inaugural mudou para outubro, em teoria se alinhando com Austin e México. Em 2017, o Miami Heat teve oito jogos em casa em outubro, quatro deles na última semana do mês. 

Overview of the track and Miami
Vista de cima da pista de Miami

Foto: Michael L. Levitt / LAT Images

 

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias