Grosjean crê que escolha de pneus durante a corrida vá ser decisiva

Sexto no grid, francês se decepciona com ritmo da Lotus com a pista mais molhada; Kovalainen acredita em prova difícil

Mesmo apostando nos pneus intermediários primeiro, Romain Grosjean não obteve grande vantagem no Q3 desta tarde em Interlagos. O francês foi o sexto, reclamando bastante do equilíbrio do carro nas condições climáticas nas quais foi disputado o Q3. Para o piloto, a melhor condição para o carro da Lotus era a do Q2.

“O Q2 foi bom, mas no Q3 tivemos mais água na pista e foi ruim para nós”, relatou ao TotalRace. “Tentamos ser os primeiros a colocar os intermediários, mas não tivemos o bom carro que tínhamos antes. Seria legal conseguir a pole, mas não deu.”

“Tivemos muitos problemas na reta oposta e entre as curvas 12 e 13, lá está muito escorregadio. Acho que tudo é possível amanhã. Acho que as condições serão muito difíceis, e não sabemos como está o carro no seco.”

Em ritmo de prova, Grosjean acredita que possa lutar pelo pódio, principalmente entre Ferraris e Mercedes. “Acho que estamos mais rápidos que a Ferrari. A Mercedes, geralmente, somos mais rápidos durante as corridas, então acredito que possamos ter boas chances. Acho que temos tudo para fazer uma boa corrida. É só colocar os pneus certos na hora certa.”

Kovalainen foi o 11º, e não sabe o que houve em seu carro nesta tarde. “Não tivemos nenhum grande problema, apenas não fomos tão rápidos como ontem”, falou. “Fizemos algumas mudanças, sim, mas não sei o que houve. Nosso carro não está tão bom quanto ontem. Mas não quero culpar nem nada nem ninguém. Acho que o carro tem ritmo. Apenas hoje não fomos rápidos o suficiente.

“Foi o máximo que pude fazer, não tinha mais nada para dar. Eu não errei. Baseado nisso, amanhã pode ser difícil”, finalizou.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Evento GP do Brasil
Pilotos Heikki Kovalainen , Romain Grosjean
Tipo de artigo Últimas notícias