Haas não ficará para trás em 2018, crê Grosjean

Romain Grosjean confia que a Haas não ficará para trás na disputa da F1 deste ano, mesmo que algumas de suas rivais mais próximas devam dar grandes saltos em 2018.

Apesar de a Haas ter terminado à frente da McLaren na última temporada e ter ficado apenas 10 pontos atrás da Renault, Grosjean sabe que a concorrência, provida de maiores recursos financeiros, deve sair de seu alcance nesta temporada.

Grosjean aceita o fato de que a Haas não conseguirá manter o ritmo de McLaren e Renault, mas acredita que ainda há outras equipes para ter como meta – ele indica que Toro Rosso e Williams podem estar dentro de seu alcance.

Quando questionado pelo Motorsport.com se esperava que as coisas ficassem mais difíceis para a Haas em 2018, disse: “Não sei. Algumas equipes terão talvez uma unidade de potência menos forte, então um vai para cima e outro, para baixo. Acho que não queremos cair na classificação.”

“A McLaren será superforte. Eles têm grandes recursos, têm a maior fábrica da F1, e o motor Renault é um motor decente.”

“Eles tiveram problemas de confiabilidade, mas, em termos de potência, eles estão lá. A Renault também está em alta, e eles estão evoluindo muito bem, então eles também estarão mais acima.”

“A questão é a Williams e Force India. Claro, a McLaren estará lá com a Red Bull, depois será a Renault. A pergunta fica por conta da Williams, Force India, nós e a Toro Rosso com seu novo motor.”

Grosjean acredita que o segredo para a Haas dar um bom passo à frente em 2018 é extrair o máximo seu programa de desenvolvimento aerodinâmico, após sentir que a equipe não obteve ganhos suficientes nesta área no ao passado.

“O melhor é focar em nosso próprio trabalho, e sabemos onde conseguimos melhorar”, disse. “Há algumas áreas onde precisamos nos concentrar e melhorar.”

“Uma é tendo certeza de que as novidades [do carro], quando elas chegam, elas já estejam funcionando bem, tendo sido experimentadas antes, então não perderíamos três meses para trazer algo que não faz o que deveria.”

“Não vou mencionar tudo, porque é algo confidencial. Mas este é só um exemplo.”

Ele acrescentou: “São dois anos seguidos em que a tendência é cair um pouco durante o ano. Começamos por duas vezes com uma plataforma muito, muito boa, e tivemos dificuldades com os pneus.”

“Ainda não estamos em um bom nível de uso e entendimento dos pneus. Nos bastidores, há muitas coisas que podemos coordenar melhor entre a fábrica em Maranello, a fábrica da Dallara e a outra na Inglaterra para garantir que façamos as coisas andarem de maneira mais tranquila e eficiente.”

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Pilotos Romain Grosjean
Equipes Haas F1 Team
Tipo de artigo Últimas notícias