Haas: segunda temporada está mais difícil que primeira

compartilhar
comentários
Haas: segunda temporada está mais difícil que primeira
Adam Cooper
Por: Adam Cooper
Traduzido por: Daniel Betting
16 de out de 2017 11:03

Gene Haas admitiu que sua segunda temporada na F1 se mostrou ainda mais difícil do que a primeira, reconhece que seus rivais diretos melhoraram

Kevin Magnussen, Haas F1 Team VF-17, Romain Grosjean, Haas F1 Team VF-17
Gene Haas, Founder and Chairman, Haas F1 Team
Gene Haas, owner and founder, Haas F1 Team, Kevin Magnussen, Haas F1 Team
Kevin Magnussen, Haas F1 Team VF-17, Romain Grosjean, Haas F1 Team VF-17
Romain Grosjean, Haas F1 Team VF-17, Nico Hulkenberg, Renault Sport F1 Team RS17
Kevin Magnussen, Haas F1 Team VF-17, Romain Grosjean, Haas F1 Team VF-17
Romain Grosjean, Haas F1 Team VF-17

A equipe norte-americana Haas, que entrou na Fórmula 1 no ano passado, ocupa o sétimo lugar na classificação com 43 pontos, terminando em oitavo com 29 em 2016.

Embora as estatísticas sugiram que a equipe tenha desfrutado de uma segunda temporada mais forte até agora, Haas acredita que seus rivais estão "muito melhores" e tornaram as coisas mais difíceis.

"Parece mais difícil do que no ano passado", disse Haas ao Motorsport.com. "Eu acho que as equipes estão muito melhores”.

"Certamente, a Honda ganhou o ritmo, e a Renault está melhor e Toro Rosso é sempre boa.”

"Não há atrasados neste negócio, então, para avançar com seus concorrentes, você precisa ser bom, e isso é difícil", acrescentou.

A equipe marcou pontos com seus dois carros, pela segunda vez seguida, no GP do Japão no domingo, com Kevin Magnussen e Romain Grosjean terminando em oitavo e nono respectivamente, segundo top 10 após Mônaco.

"É sempre bom obter pontos", acrescentou Haas. "Seis pontos - é incrível o quão difícil eles trabalham para conseguir isso. Mas é muito gratificante poder correr nesse meio de campo e poder executar e completar para obter esses pontos”.

"Foi um fim de semana difícil. Grosjean arruinou seu carro na qualificação, então eles estavam lutando para colocá-lo de volta. A boa notícia foi que nós tivemos quase meio dia para repará-lo, algumas horas no sábado e uma manhã inteira no domingo”.

"Eles fizeram um ótimo trabalho. Felizmente, não precisaram tirar o motor, então não tivemos que atrapalhar nenhuma dessas conexões, mas ainda assim você sempre está se perguntando, quando sai pela primeira vez após grandes reparos. Isso vai se manter junto?"

Haas admitiu que estava frustrado com a colisão "absurda" de Grosjean com uma tampa de drenagem solta na Malásia que gerou uma conta de reparo enorme para a equipe.

"Foi apenas uma dessas coisas. Você tem problemas suficientes neste negócio com todos os tipos de eventos ocorrendo, e, de repente, parece um pouco absurdo, uma tampa de drenagem em uma pista de corrida, algo que não temos controle, destrói um dos nossos carros”.

"Eu acho que este tipo de coisa arruína seu fim de semana. Um bico custa cem mil (dólares), uma asa traseira também, e as partes intermediárias estão nas centenas de milhares. É extremamente caro. Sabemos que temos que ter essas coisas em corridas e treinos, mas quando elas ocorrem fora de seu controle, é simplesmente absurdo".

Próxima Fórmula 1 matéria
Button revela relação “estranha” como colega de Hamilton

Previous article

Button revela relação “estranha” como colega de Hamilton

Next article

Alonso rebate Rosberg: “Não me arrependo de minhas escolhas”

Alonso rebate Rosberg: “Não me arrependo de minhas escolhas”

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Haas F1 Team
Autor Adam Cooper
Tipo de matéria Últimas notícias