“Havia pânico quando cheguei”, diz novo diretor técnico da Williams

Após ser contratado em 2013, Pat Symonds explica como ajudou a reestruturar a equipe: “O carro não era bom”

Com passagem por Toleman, Benetton, Renault e Marussia, o novo diretor técnico da Williams, Pat Symonds, ajudou a reerguer o time de Grove. Ele chegou ao time no fim de 2013 e de cara encontrou uma equipe desestruturada que não sabia como voltar a evoluir. Deixando de lado a campanha do ano passado e se concentrando no carro de 2014, a equipe conseguiu um grande salto de performance.

“Havia um pouco de pânico quando eu cheguei”, falou Symonds ao site oficial da Fórmula 1.

“O carro não era bom, e todo mundo estava culpando a aerodinâmica - o que, em parte, era verdade - mas eles também haviam desistido de outras áreas, o que foi uma pena porque elas deveriam estar melhor.”

“A pressão estava sobre os caras da aero. Era mais ou menos assim: 'aqui está uma nova asa dianteira, oh, não deu certo, aqui está uma outra '. Nós acalmamos um pouco isso. Pensei que o nosso caminho seria através disso. Espero que tenhamos tirado a cultura da culpa. Isso permite que as pessoas inovem um pouco mais.”

Perguntado onde pretende chegar com o FW36, Symonds não coloca barreiras. “Eu não tenho metas no sentido numérico. Algo como 'acabaremos aqui, com este número de pontos', etc. O que eu quero, especialmente neste ano, é que sejamos uma equipe que as pessoas respeitam.”

“Então, eu quero que melhoremos continuamente. Eu quero tudo o que fazemos para o carro se tornar mais rápido - o que parece óbvio, mas nem sempre acontece. Eu parei o tipo de atualizações 'isso para esta corrida, aquilo para a outra corrida'. Temos um programa de desenvolvimento contínuo, e assim que as coisas estão prontas, nós colocamos no carro.”
Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias