Honda muda abordagem para desenvolvimento de seu motor

Fabricante japonesa agora se apoia menos dos resultados do dinamômetro e diz estar perto de solucionar problemas com o MGU-H

A Honda alterou a forma com que avalia os desenvolvimentos de seus motores de F1, segundo o líder do projeto, Yusuke Hasegawa.

A fabricante japonesa teve uma primeira metade de temporada frustrante em seu terceiro ano na F1, marcada por confiabilidade ruim e falta de potência, o que ameaça seu futuro com a McLaren.

No mês passado, Hasegawa afirmou que a Honda teve dificuldades com a correlação entre seu dinamômetro e a pista, mas, agora, diz que mudou sua abordagem, dependendo menos do dinamômetro para aprovar uma especificação.

“Estamos mudando nossa forma de desenvolvimento. Não estamos insistindo muito no dinamômetro para desenvolver [o motor]”, disse, em entrevista ao Motorsport.com.

“Podemos verificar fatores, elementos ou conceitos no dinamômetro, mas, agora, entendemos que precisamos checar com o V6 para finalizar nossa especificação. Então, não vamos depender tanto dos resultados do dinamômetro.”

“Como uma referência, o teste de dinamômetro é importante, mas, para encontrar performance, precisamos checar os resultados do V6.”

O MGU-H tem sido um problema particular para a Honda nesta temporada, com a fabricante japonesa encontrando uma série de problemas neste ponto. Contudo, após as novidades de Silverstone, Hasegawa sente que a Honda enfim superou o contratempo.

“Levou muito tempo para que resolvêssemos as falhas do MGU-H. Tivemos vários pequenos problemas com o motor, e essa área é difícil de entender no dinamômetro”, explicou Hasegawa.

“Estamos perto de resolver este problema. Precisamos apenas confirmar na pista. Mas a nova especificação de MGU-H que introduzimos inclui soluções para o problema, então acredito que esteja OK.”

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Equipes McLaren
Tipo de artigo Últimas notícias