Importância da aerodinâmica não diminuiu com novos motores, diz Lowe

compartilhar
comentários
Importância da aerodinâmica não diminuiu com novos motores, diz Lowe
Por: Julianne Cerasoli
7 de jan de 2015 10:36

Segundo diretor técnico da Mercedes, força dos propulsores alemães não explica o domínio da equipe em 2014

Apesar da vantagem da unidade de potência da Mercedes ser inegável – as quatro equipes que utilizaram os motores alemães durante a temporada 2014 ficaram entre as seis primeiras do campeonato – as qualidades do chassi dos campeões do mundo não podem ser desconsideradas. É o que defende o diretor técnico da equipe, Paddy Lowe.

[publicidade] “Muito foi falado sobre essa ser uma fórmula das unidades de potência, mas na verdade a aerodinâmica se tornou ainda mais crucial”, defendeu o engenheiro à Autocourse. “Incorporar a nova unidade de potência no carro com o mínimo de impacto aerodinâmico é mais importante do que antes, e não menos.”

A partir de 2014, a Fórmula 1 passou a utilizar uma unidade de potência que une o motor de combustão turbo V6 e duas formas de recuperação de energia. Além de problemas de incorporação, segundo Lowe, outra grande fonte de estudos das equipes foi o arrefecimento do novo equipamento.

“Uma boa parte da história foi a eficiência de arrefecimento. Fizemos isso pouco a pouco, ganhando eficiência em cada peça e é isso que diminui os tamanhos. Sua primeira tentativa nunca é tão boa quanto a 27ª. Acabamos chegando a um carro que parecia com o do ano anterior em termos de área de radiador, e isso foi um feito impressionante.”
Próxima Fórmula 1 matéria
Governo garante realização do GP da Bélgica até 2018

Previous article

Governo garante realização do GP da Bélgica até 2018

Next article

Novas regras de "CNH" teriam barrado dez pilotos nos últimos cinco anos

Novas regras de "CNH" teriam barrado dez pilotos nos últimos cinco anos
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Julianne Cerasoli
Tipo de matéria Últimas notícias