James Allen: As estratégias em Monza

O GP da Itália nunca é a corrida mais interessante da temporada sob o ponto de vista da estratégia, mas, em termos do jogo entre Mercedes e Ferrari, foi absolutamente fascinante

Estava claro nos treinos de sexta-feira que a Mercedes tinha o pacote mais rápido para Monza, o que era esperado. Mas a Ferrari não chegou ao topo do seu setup na sexta-feira e não conseguiu avançar no sábado por causa da chuva.

Depois de ter um desempenho fraco na classificação em piso molhado, a Ferrari se viu não só atrás da Mercedes, como também por dois carros de equipes clientes, Williams e Force India.

Aqui vamos analisar o que aconteceu a partir desse ponto, com a Ferrari tão desconcertada e como a tática pode influenciar a próxima corrida, em Cingapura.

Também veremos como Daniel Ricciardo e a Red Bull escolheram uma estratégia certeira, assim como Sergio Perez, que garantiu um magnífico quarto lugar, batendo a Ferrari de Kimi Raikkonen.

 Valtteri Bottas, Mercedes AMG F1 W08, passes Kimi Raikkonen, Ferrari SF70H, in the Parabolica
Foto: Steven Tee / LAT Imagens

Expectativas iniciais

Monza tem sido tradicionalmente uma corrida única, já que o ritmo dos carros na pista a 360 km/h em comparação com aqueles que vão a 80 km/h no pit lane, torna as paradas menos atraentes.

Este ano, mais uma vez, a Pirelli trouxe o pneu supermacio, além dos macios e médios. Como muitas vezes nesta temporada com estes pneus mais duros, as equipes usaram apenas os dois compostos mais moles na corrida.

Ambos estavam bons para 30 voltas na corrida e não houve déficit de ritmo significativo do supermacio para o macio. As rodadas de pit stops foram bastante claras, no entanto, o desgaste foi menor no dia da corrida do que na sexta-feira, como esperado, então havia espaço para jogar.

A corrida foi incomum de várias maneiras. Com a chuva na classificação, as equipes tinham livre escolha de pneu de largada. A maioria optou por supermacios, para ter melhor aderência. E também foi uma corrida sem uma única bandeira amarela, o que é raro.

O grid tinha as Mercedes divididas pelos clientes - a Williams de Stroll e a Force India de Ocon. As Ferraris alinharam em quinto e sexto, com Raikkonen à frente de Vettel.

Mais adiante Verstappen e Ricciardo, com punições de motor, optaram por largar com pneus macios. A fase inicial da corrida, quando estavam sendo segurados por carros mais lentos, foi o melhor momento para usar o pneu mais lento, então se beneficiaram com o jogo mais veloz com ar limpo à frente.

Se você fizer isso, a regra é não ter uma colisão que peça uma parada precoce, já que você deverá parar novamente.

Foi o que aconteceu com o Verstappen, após o contato com Massa.

Alonso e Grosjean, começando na parte de trás, usaram a mesma estratégia que a Red Bull. Isso foi incomum para Alonso, que gosta de começar com os mesmos pneus que os pilotos da frente.

 Daniel Ricciardo, Red Bull Racing
Daniel Ricciardo, Da Red Bull Racing

Foto: Charles Coates / LAT Imagens

Ricciardo: de 16º a 4º, à frente de Raikkonen

Um dos principais pilotos do dia foi Daniel Ricciardo, que chegou a quatro segundos do pódio, depois de começar a corrida em 16º lugar, devido a uma penalidade de motor. Ele usou a mesma estratégia que havia empregado em 2015 para ir de 15º a 8º e que Sergio Perez tinha usado na Sauber em 2012, quando saiu de 12º para 2º.

A ideia é começar no pneu mais duro, fazer um primeiro período mais longo e depois atacar com o pneu mais suave no final. Isso funciona muito bem em Monza porque é possível ultrapassar.

Os alvos de Ricciardo eram as Ferraris. A Red Bull parecia o mesmo ritmo que a Ferrari nos treinos de sexta-feira. Mas ele tinha muitos carros para passar e o tempo ficaria perdido em relação às Ferraris, a menos que fossem impedidos por Ocon e Stroll.

Vettel os passou, mas Raikkonen sofreu e isso semeou as sementes de sua destruição.

Force India e Williams estavam em uma batalha por conta própria pelo quarto lugar no campeonato de construtores e, portanto, ficaram focados estrategicamente nessa corrida.

O que fazer a Ferrari poderia fazer era sair desse ponto, usando seu ritmo superior, depois utilizando as paradas para isso.

Isso não aconteceu neste caso, porque Raikkonen estava pedindo novos pneus com insistência, antes que a Ferrari o fizesse parar na volta 15. O problema com essa jogada é que só funciona quando os pneus novos são significativamente mais rápidos do que os atuais. Nessa situação, no final da segunda parte, com baixo desgaste, não deu certo.

Raikkonen conseguiu passar Stroll, porque o canadense teve uma parada lenta, mas Ocon foi facilmente capaz de manter a posição.

Tudo isso foi parar no colo de Ricciardo e da Red Bull. Ele fez um longo primeiro stint e, em seguida, tinha pneus superiores ao de Raikkonen.

Ele quase chegou em Vettel pelo terceiro lugar no final, mas o piloto da Ferrari o segurou.

 Esteban Ocon, Sahara Force India F1 VJM10, Lance Stroll, Williams FW40
Foto: Charles Coates / LAT Imagens

 

Force India e Williams mais à frente do que o normal

Então, vamos dar um passo atrás e considerar o papel de duas figuras nesta situação de corrida. O gráfico histórico (abaixo) está bastante revelador. Os carros da Force India e Williams desfrutaram de uma margem de desempenho maior em relação aos outros carros de meio de grid. Por que isso aconteceu?

Bem, uma teoria tem a ver com a maneira como a Mercedes pode ter trabalhado nos motores dos carros de Ocon e Stroll no domingo.

Estando na posição em que estavam, Stroll e Ocon, houve uma oportunidade não só para maximizar os pontos ganhos em relação aos seus rivais, a Ferrari, mas também para constrangê-los em casa, o que inevitavelmente traria consequências.

Esses motores híbridos têm vários modos em que podem ser executados. Você normalmente executa o máximo para o início da corrida e depois de um Safety Car, mas, após isso, você o reduz para tentar minimizar os danos e, portanto, aumentar a confiabilidade e longevidade dos motores.

Force India e Williams geralmente são carros fortes de reta. No entanto, uma análise próxima dos dados das velocidades finais em Monza no domingo indica que a Mercedes permitiu que Hamilton e Bottas, bem como seus dois clientes, Ocon e Stroll, tivessem mais danos no motor nesta corrida do que o normal.

 Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 W08
Foto: Sam Bloxham / LAT Imagens

 

Dados fornecidos pela Williams Racing

Uma curva ascendente indica bom ritmo relativo, a curva descendente o contrário. A queda acentuada indica uma parada nos pits.

Olhe para o ritmo de Ocon no primeiro stint em comparação com o resto dos pilotos de meio de grid (por exemplo, Toro Rosso e Renault) com quem eles normalmente estão juntos. É maior que o normal. Isso se deve em parte à situação incomum do motor da Mercedes em um regime elevado.

Observe também o progresso de Ricciardo, uma vez que ele conseguiu ter um pouco de ar limpo. Ele não entrou em pânico quando seus pneus estavam ficando quentes no trânsito, mas conseguiu suas recompensas no final da corrida com o quarto lugar.

James Allen on F1, race history
James Allen on F1, tyre strategy

 

Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Evento GP da Itália
Pista Monza
Tipo de artigo Conteúdo especial