Lego nega patrocínio à McLaren, e Magnussen perde forte apoio

Empresa dinamarquesa diz não se 'encaixar' na Fórmula 1; Ron Dennis mostrou irritação

Magnussen perdeu um bom apoio dinamarquês
Em reta final de negociação para anunciar a dupla de pilotos para o ano que vem, a McLaren sofreu com uma decisão que pode se tornar fundamental para a escolha. Nesta quinta-feira, a Lego negou o patrocínio ao time de Woking e pode complicar o futuro de Kevin Magnussen.
 
[publicidade]Dinamarquesa, a empresa produtora de brinquedos se negou a apoiar a McLaren, que programou uma visita ao país a fim de entrar em um acordo com a Lego; Ron Dennis foi pessoalmente à Escandinávia para tratar da negociação.
 
De acordo com Jorgen Vig Knudstorp, diretor da Lego, patrocinar uma equipe de Fórmula 1 contradiz a política da empresa. “A Fórmula 1 não se encaixa à marca Lego”, disse à mídia local.
 
A resposta do dirigente irritou Ron Dennis. “Gostaria que a Dinamarca acordasse e percebesse que oportunidade única eles têm para apoiar alguém, que poderia facilmente se tornar uma lenda esportiva no país”, discursou o diretor-executivo da escuderia.
 
As palavras de Dennis comprovam a ideia de utilizar uma marca dinamarquesa para apoiar Magnussen, que, neste caso, faria companhia provavelmente a Fernando Alonso, piloto favorito a ocupar uma vaga no grid pela McLaren no ano que vem.
 
A escuderia ainda necessita também decidir o futuro de Jenson Button. O veterano demonstra dia a dia a vontade de permanecer na Fórmula 1, mas já possui até a alternativa de guiar no Mundial de Endurance, caso a decisão da McLaren seja favorável a Magnussen.
 
Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias