Lembranças de quando Hamilton e Rosberg eram amigos no kart

Pelas duas últimas temporadas, os companheiros de equipe Lewis Hamilton e Nico Rosberg foram rivais na Mercedes. Com a ajuda do ex-chefe da equipe de kart em que a dupla correu, Oleg Karpov resgata uma época em que este não era o caso

Nome familiar e reconhecido quando se trata de kart italiano, Dino Chiesa, que atualmente é chefe do programa de kart CRG, encheu armários de troféu por quase duas décadas.

E foi na CRG que Chiesa trabalhou no final do século passado, quando chegou uma oferta para ele coordenar uma equipe à parte com duas das estrelas do kart em ascensão  - uma era Nico Rosberg, filho do campeão de F1 Keke, e a outra Lewis Hamilton.

"Conheci Nico no final de 1997," Chiesa recordou, sentado em sua cadeira de escritório na fábrica da CRG, localizado perto de Lonato del Garda.

"Eu corri na CRG naquela época - e eu conheci ele, porque seu pai era amigo de Domingos Piedade, então presidente da AMG. Foi o momento em que Nico teve que se mudar da França para a Itália para começar a correr a nível internacional e Domingos lhe disse: escute, você tem apenas um lugar para ir, deixe-me chamar Dino"

Pouco tempo depois, Rosberg iria se juntar à CRG, correndo para a fabricante italiana por duas temporadas em 1998 e 1999.

"No final de 1999, Keke - naquele tempo empresário de Mika Hakkinen -  me perguntou se eu gostaria de construir uma equipe separada da CRG, durante duas a três temporadas, com Lewis - já um piloto da McLaren - e Nico. "

Como resultado, nasceu a equipe MBM, abreviação de Mercedes-Benz-McLaren. Ainda era uma operação de fábrica CRG de pleno direito, mas foi uma abordagem diferente, focando apenas os dois pilotos especificamente em vez de adotar um maior e mais tradicional line-up.

 Lewis chega

Льюис Хэмилтон и Нико Росберг
Lewis Hamilton e Nico Rosberg
Photo by: Chiesa Corse

 Chiesa admitiu que, quando Lewis se juntou à equipe, ele não estava plenamente consciente do puro potencial do britânico: "Nós não sabíamos muito sobre ele - nós sabíamos que ele já estava sob a guarda da McLaren, que ele foi bem em campeonatos ingleses, e que era, obviamente, talentoso".

"Mas nós nunca tínhamos visto ele na pista, porque ele ainda não tinha chegado à Europa".

No entanto, Hamilton deixou uma boa impressão. "Ele veio do nada - tinha pouco dinheiro no bolso, tinha que fazer tudo isso através de talento. Mas, com certeza, ele é um dos pilotos mais talentosos do mundo".

"Ele não tinha problema de velocidade em qualquer corrida, com qualquer material. Às vezes, ele não tinha o melhor carro. Tinha dois décimos de desvantagem, e ele ainda conseguia ganhar a corrida".

Mundos diferentes

 

Нико Росберг
Nico Rosberg

Photo by: Chiesa Corse

 

Voltando a 2014, antes dos dois últimos campeonatos mundiais conquistados por Lewis, o britânico insinuou muito claramente que ele tinha "mais fome" para o sucesso do que Nico, por causa de histórias radicalmente diferentes da dupla.

Mas, como Chiesa recordou, isso não os impediu de ficar juntos - e, de certa forma, contribuiu para a amizade.

"Não se esqueça. Nico viveu em Mônaco, ele não tinha uma vida normal, um monte de amigos", disse Chiesa. "Ele chegava para o fim de semana de corrida para se divertir com Lewis - que era da periferia de Stevenage e sabia da vida, sabia como se divertir.

"Lewis foi, de certa forma, um professor de Nico."

Dito isto, Chiesa insistiu que a boa vida de Rosberg em nada afetou a forma como o alemão se portava - ou como ele trabalhava.

"Ele é um cara bom. Ter crescido em Mônaco não lhe fazia diferença, ele não pensa: 'eu sou rico, eu posso fazer o que eu quero."

"Ele estava muito focado em seu trabalho, ele adora fazê-lo - ele não se preocupa com o dinheiro, possui os pés no chão, apenas um garoto bastante normal."

Da mesma forma, Chiesa reconhece que a personalidade forte e o famoso estilo de vida fora da pista de Hamilton teve pouco ou nenhum impacto sobre sua capacidade de ganhar.

"Eu acho que Lewis é um pouco bipolar, ele tem duas personalidades. Fora do fim de semana de corrida, ele é um pouco louco, um cara emocional - mas acho que quando o treino livre começa na sexta-feira de manhã e até à bandeira quadriculada no domingo, ele é um verdadeiro profissional, ele simplesmente não faz nada errado".

"Ele liga e desliga de sexta a domingo e na noite de domingo começa novamente com as festividades até a próxima corrida. Mas ele sabe fazer. "

Pais

Keke Rosberg, Williams
Keke Rosberg, Williams

Williams F1

Como Chiesa lembra, tanto Keke Rosberg como Anthony Hamilton foram sempre presentes durante todo o período de dois anos de seus filhos com a equipe.

"Eu acho que todos os quatro foram bastante próximos - eles dormiam no mesmo hotel, dirigiam no mesmo carro de aluguel. [Keke e Anthony] nunca tiveram problemas porque, eu acho, eles já sabiam que seus filhos estavam destinados à Fórmula 1.

"Anthony, quando veio pela primeira vez para as primeiras corridas, tinha um pouco de dúvida sobre o kart, que talvez eu estivesse dando um melhor material a Nico".

"Mas no kart você simplesmente não pode fazer isso - e o tamanho e o peso de ambos, Lewis e Nico, eram muito semelhantes. Então toda vez que eu mudei o kart durante a sessão de treinos livres, puderam ver que era o mesmo para ambos".

"[Anthony] fez algumas perguntas no início, mas então nunca mais me indagou novamente nas duas temporadas. Talvez porque Lewis estivesse ganhando e é assim que ele tinha certeza que o kart era bom".

"Keke teve alguns problemas com seu filho, brigando sobre erros ou detalhes de condução. Mas isso é normal. Anthony, é claro, não poderia dizer muito a Lewis porque nunca fora um piloto - mas quando Keke dizia alguma coisa, os meninos não podiam dizer não porque ele era um campeão de F1".

Continuam amigos?

Start: Nico Rosberg, Mercedes AMG F1 and Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 lead
XPB Images

A relação entre Hamilton e Rosberg tornou-se tensa durante as duas temporadas da Mercedes dominante, com atritos que vão desde a colisão decisiva de Spa em 2014 até o "arremesso de boné" no ano passado em Austin.

Mas seu ex-chefe kart acha difícil acreditar que a dupla não se dá mais bem.

"Se eles ainda são amigos? Você sabe melhor do que eu, provavelmente. Com certeza parece que eles não são mais - mas eu acho que eles são".

"Juntos desde 2000 por 15 anos neste mesmo mundo, a mesma vida, é difícil um ser contra o outro. Eles não podem ser inimigos."

Em seguida, ele recordou o episódio em que seus dois pilotos sujaram um quarto de hotel em Oschersleben.

"Foi a última corrida do campeonato europeu - que Lewis já havia vencido. Eles quase destruíram o quarto, eles colocaram o colchão para fora da janela. Os rapazes da recepção me chamaram no meio da noite e eu tive que esconder esse fato de seus pais, porque eles me matariam se soubessem".

"Mas todo esse tempo, Lewis e Nico dormiam no mesmo quarto. É por isso que eu acho que eles ainda são amigos - se você ficar por dois anos juntos no mesmo quarto quando você é jovem, você nunca vai esquecer isso. É como você tem que servir no exército, e você não esquece seus amigos no exército ".

Pode Nico bater Lewis?

Second place Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 and polesitter Nico Rosberg, Mercedes AMG F1 in the post qualifying FIA Press Conference
XPB Images

A campanha dominante de Hamilton em 2015 levantou sérias dúvidas sobre se Rosberg poderia sempre andar no mesmo ritmo de seu companheiro de equipe - e enquanto o alemão reprimiu alguns desses medos com uma série de três vitórias no final, ainda é motivo de debate se ele é capaz de bater Hamilton na disputa do título.

E esta é uma pergunta para a qual Chiesa não tem uma resposta definitiva. "É um ponto de interrogação", disse ele.

"Eu acho que se Nico fizer tudo perfeito, ele pode bater Lewis. Se voltarmos para o kart, onde fizeram cerca de 30 corridas, acredito que Nico, na fase de qualificação, bateu Lewis 20/10 ... ou mesmo 22/8."

"Mas Lewis ganhou mais corridas. Ele é mais agressivo, mais tudo ou nada. Nico é o tipo de piloto que está tudo bem em terminar em segundo para marcar pontos para o campeonato - mas Lewis não se preocupa com o campeonato, ele se preocupa com cada corrida".

"A mídia, por vezes, diz que Nico é mais frágil, mas isso não é verdade - ele é tão forte mentalmente como Lewis. Então, eu acho que ele pode ganhar o campeonato."

Mas enquanto a rivalidade entre Hamilton e Rosberg recebe mais atenção, Chiesa acredita que, em vez disso, seu trabalho em equipe tem sido crucial para os sucessos de Mercedes.

"Eu sei que é o melhor carro no momento e é mais fácil para vencer corridas, mas eu acho que o trabalho que Nico e Lewis fazem juntos é melhor do que a de quaisquer outros pilotos em qualquer outra equipe. Eles são a combinação perfeita".

"Lewis chega ao limite imediatamente - Nico chega lá um pouco mais tarde, mas pode trabalhar muito para entender se isso é realmente o limite ou se há mais ritmo que pode ser adicionado".

"Ter Nico sem Lewis ou Lewis sem Nico, a Mercedes não seria tão forte como é agora. Pelo menos, é o que eu vi no kart. Ajudaram uns aos outros e nós ganhamos um monte de corridas, porque nós tivemos dois pilotos muito bons, que juntos eram mais fortes do que eram separadamente"

Tradução por Valentin Khorounzhiy

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Conteúdo especial