Liberty Media e sua frustração com a Fórmula 1

compartilhar
comentários
Liberty Media e sua frustração com a Fórmula 1
Adam Cooper
Por: Adam Cooper
Traduzido por: Daniel Betting
6 de mar de 2018 14:34

Greg Maffei, CEO da Liberty Media, não entende a controvérsia causada pelos novos acordos com as equipes para depois de 2020

Greg Maffei, CEO e presidente da Liberty Media, assegura que não foi boa a maneira como as conversas com as equipes foram transmitidas ao público em geral, principalmente pela Ferrari e seu presidente, Sergio Machionne.

O executivo da Ferrari foi contundente com os americanos sobre sua posição sobre os novos regulamentos de motor após 2020 e até ameaçou sair da Fórmula 1 se ele não gostar do que a Liberty Media fará.

"Eu vi uma discórdia pública sobre o que estamos tentando fazer para ter um melhor equilíbrio, como limites de custo, tentando nivelar os pagamentos que não seriam tão favoráveis para as grandes equipes", disse Maffei.

"Por quê? Queremos criar a perspectiva da NFL, onde todos os domingos uma equipe diferente pode ganhar".

"Há alguma tensão nisso, e provavelmente mais ruído tem sido causado do que pensamos, e haverá mais à medida que avançarmos na renovação do acordo para 2020".

"É um pouco surpreendente o quão ruidoso está tudo aqui, a maioria de nós está acostumada a fazer negócios a esse nível em particular. Qualquer coisa sobre a F1 é espalhada pelas manchetes em todo o mundo, quer você goste ou não".

No ano passado, os novos proprietários da F1 e as equipes começaram a discutir como as receitas serão distribuídas quando as cifras atuais, assinadas por Bernie Ecclestone, expirarem no final de 2020.

Essas conversas estão ligadas ao debate sobre as regras futuras e, em particular, os regulamentos dos motores e a possibilidade de limitar os gastos.

Maffei diz que as partes envolvidas tiveram ideias diferentes sobre qualquer acordo e implicaram que algumas equipes queriam obter uma vantagem ao serem as primeiras a assinarem, o que aconteceu na era Ecclestone.

"Um dos problemas é que [o acordo] realmente não tem que ser revisado até 2020. Nós todos desejamos, e não há um tempo máximo para corrigir isso, mas como estamos sentados aqui desde o início de 2018, há um prazo. Há muitas pessoas que querem chegar a um acordo de antemão, e outros que veem que talvez eles devessem manter como está agora".

"Há várias equipes dizendo publicamente que a Liberty deveria definir os termos sobre a mesa, deveríamos nos manifestar e ficar olhando para as equipes que não querem. Temos tentado seguir juntos, veremos se podemos fazer entrar todos no barco e remando na mesma direção, em vez de ter que traçar uma linha dura".

"Eu acho que esse é o comportamento de Chase [Carey], é o seu procedimento operacional geral, mas eu concordo totalmente, primeiro eu gostaria de ver se um compromisso pode funcionar para as 10 equipes, embora nem todos tenham necessariamente interesses semelhantes".

A respeito do prazo para uma decisão sobre as regulamentações da unidade de potência para 2020, Maffei sugeriu que as equipes atuais deveriam dar o ritmo se resistirem à mudança.

"Depende de quem você pergunta! Talvez pessoas que gostem da especificação antiga prefiram que o novo chegue mais tarde, certo?"

Next article
McLaren assume assento no conselho da Fórmula 1

Previous article

McLaren assume assento no conselho da Fórmula 1

Next article

McLaren começa segunda semana de testes com problemas

McLaren começa segunda semana de testes com problemas
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Evento Barcelona March testing
Sub-evento Tuesday
Localização Circuit de Barcelona-Catalunya
Autor Adam Cooper