Liberty planeja impor teto de gastos a equipes na F1 em 2021

Segundo publicação alemã, proprietários da categoria querem que equipes se limitem a gastar 150 milhões de euros por ano

O grupo Liberty Media, proprietário da F1, planeja uma mudança significativa na gestão da categoria para o futuro. A intenção dos donos é implantar um teto de gastos a partir da temporada de 2021, logo após o fim do atual Pacto de Concórdia.

A informação é do jornal alemão Sport Bild. De acordo com a publicação, o grupo Liberty quer limitar os gastos anuais de cada equipe a 150 milhões de euros, o que serviria para complementar a diminuição de custos com o novo regulamento de motor, que pretender ser mais barato e menos complexo que os atuais.

Além disso, esse valor não incluiria investimentos em marketing, estrutura e salário de pilotos – este valor permitira um gasto adicional de 50 milhões de euros.

O atual Pacto de Concórdia, que estabelece as diretrizes comerciais e financeiras da F1, é válido até 2020, o que impede o grupo Liberty a implementar mudanças mais drásticas até lá. 

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias