Lowe: F1 tem “arma importante” para aumentar ultrapassagens

compartilhar
comentários
Lowe: F1 tem “arma importante” para aumentar ultrapassagens
Scott Mitchell
Por: Scott Mitchell
20 de set de 2018 10:29

A nova tentativa da F1 em aumentar as ultrapassagens poderá evitar algumas dificuldades vistas no passado, já que o diretor técnico da Williams, Paddy Lowe, considera que a categoria atualmente conta com uma “arma” que não tinha antes.

Um projeto independente de pesquisa e desenvolvimento tenta facilitar a competição entre um piloto e outro, com uma ideia inicial sendo implementada em 2019 antes de uma grande mudança como parte das revoluções de 2021.

Lowe, que havia sido um dos membros importantes do antigo Grupo de Ultrapassagem da F1, há uma década, disse que a F1 nunca pôde se beneficiar dessa abordagem antes, o que ajudará a evitar consequências indesejadas no próximo regulamento.

“Quanto mais você puder trabalhar, melhor”, disse Lowe. “O bom agora é que a F1 está realmente gastando dinheiro em um centro de pesquisa e desenvolvimento para performance aerodinâmica, o que nunca existiu antes.”

“O OWG [Overtaking Working Group, nome original em inglês do Grupo de Ultrapassagem da F1] foi um projeto isolado, com um tempo limitado e que foi pago pelas equipes com um contratante externo.”

“Acho que, se o OWG tivesse continuado por mais um ano, eles teriam analisado os carros que foram criados e pensado em uma outra rodada de testes.”

“Então, acho que é bom que a F1 tenha uma equipe permanente trabalhando nesse assunto. Isso aumentará a habilidade para detectar o que está acontecendo e parar os efeitos colaterais indesejados caso eles aconteçam.”

No entanto, ele avisou: “Essas coisas sempre são possíveis. É difícil dizer que elas não acontecerão novamente.”

“No fim, as regras são mais e mais complicadas e elas não são totalmente exploradas ou testadas por qualquer forma.”

Lowe afirmou que os detalhes conversados sobre 2021 podem ser mais importantes do que o estilo, sendo que as equipes ainda dão sua contribuição ao fornecer dados e rever as sugestões.

Ele também destacou o tipo de problema vivido pelo OWG original em 2009, o que pode ser evitado desta vez.

“Sei que, no OWG, seja qual número fosse, nós cortávamos pela metade”, explicou. “Vimos que ele [Ross Brawn, diretor técnico da F1] cita um número de 50-80% de referência, o que parece um feito.”

“Isso seria mais do que foi alcançado pelo OWG. O interessante sobre o OWG é que, assim que as pessoas trouxeram asas dianteiras capazes de ter outwashing[efeito de jogar o ar para o lado externo dos pneus dianteiros], o que foi imediatamente, o que vimos no túnel não foi entregue.”

“Então, será interessante ver o passo que teremos no próximo ano e o que podemos aproveitar em 2021.”

A F1 divulgou imagens conceituais sobre seu carro de 2021. As artes foram minimizadas por algumas equipes, e Lowe indicou que concorda com a visão.

“O visual é uma parte importante, e você precisa tentar conduzi-lo de alguma forma”, disse. “Será difícil que os carros tenham exatamente o mesmo visual em relação ao desenho. Mas não acho que todos queremos carros idênticos, de qualquer forma.”

Próxima Fórmula 1 matéria
Hamilton pede para Mercedes adiantar melhorias para 2019

Previous article

Hamilton pede para Mercedes adiantar melhorias para 2019

Next article

Vettel: "Meu estilo de pilotagem me deu quatro títulos"

Vettel: "Meu estilo de pilotagem me deu quatro títulos"
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Scott Mitchell
Tipo de matéria Últimas notícias