Lowe: Recuperação da Williams é o meu maior desafio

compartilhar
comentários
Lowe: Recuperação da Williams é o meu maior desafio
Jonathan Noble
Por: Jonathan Noble
17 de jul de 2018 21:18

Diretor técnico da Williams acredita que está diante do maior desafio da carreira dentro da F1, ao tentar trazer a equipe para a parte da frente do grid novamente

Paddy Lowe, Williams Shareholder and Technical Director and Frank Williams, Williams Team Owner
Sergey Sirotkin, Williams FW41
Sergey Sirotkin, Williams FW41
Sergey Sirotkin, Williams FW41 runs wide
Lance Stroll, Williams FW41
Paddy Lowe, Williams
Paddy Lowe, Williams

Após um começo sem brilho no atual campeonato, o que deixou a Williams na parte inferior da tabela do campeonato de construtores, a equipe busca respostas para os problemas aerodinâmicos que a atingem atualmente na F1.

Para o diretor técnico da equipe, Paddy Lowe, que se juntou à Williams no início de 2017, depois de um título na Mercedes, a experiência de alavancar uma equipe é algo que ele acha que pode ser mais difícil do que quando estava brigando na frente.

Além do sucesso mais recente com a Mercedes, Lowe também ajudou a Williams e a McLaren a ganhar títulos durante sua longa carreira.

Quando perguntado se sua situação atual era potencialmente o maior desafio que enfrentou, Lowe disse: "Em muitos aspectos, sim.”

"Houve alguns outros desafios que enfrentei em diferentes ocasiões, mas este é um novo desafio para mim, de qualquer maneira”

"Ao longo dos anos, tive a sorte de não trabalhar em uma equipe que não fazia parte ou não estava na frente, em termos de desempenho. É aí que estamos sempre jogando, do top-10 para frente.”

"É uma experiência nova para mim, trabalhar em equipe que tem muito trabalho a fazer para voltar para onde gostaríamos de estar.”

"Então isso cria alguns novos desafios para mim, pessoalmente, e estou aprendendo o tempo todo. Algumas coisas que você acertou, algumas coisas que você errou, se eu tivesse meu último ano de novo, eu faria diferente. Mas eu acho que é a natureza da vida.”

"Você enfrenta desafios, aprende com eles e espera que isso construa sua experiência para fazer um trabalho melhor da próxima vez."

Em vez de se sentir desanimado pelo longo caminho para a recuperação, Lowe diz que se inspira no potencial que pode ser feito na Williams.

"Acho que quanto mais entendemos onde estamos e os motivos, e o que não está funcionando, acho que quanto mais positivo isso me faz sentir sobre o progresso que podemos fazer", disse ele.

"Temos uma grande equipe. Há algumas pessoas criativas em Grove. E acho que se pudermos trabalhar na direção certa, que agora estamos fazendo, acho que podemos fazer alguns bons progressos."

A escala dos problemas também deixou a Williams pensando se vale a pena gastar um grande esforço para resolver os problemas de 2018 e, em vez disso, mudar seu foco para 2019.

"Acho que quando chegamos a esse ponto do ano, é comum que o foco de todas as equipes vai na direção das peças e desenvolvimentos que também serão relevantes para o próximo ano", disse Lowe.

"Acho que estamos definitivamente entrando nesse modo agora com esse carro, o que deve ser comum com as outras equipes.”

"Porque, embora as regras estejam mudando para o próximo ano de forma bastante significativa, ainda há muitos aspectos do carro para os quais o desenvolvimento e o aprendizado neste atual que ainda serão utilizados.”

Reportagem adicional de Oleg Karpov

Next article
Alonso: Precisamos trabalhar no quali para pontuar mais

Previous article

Alonso: Precisamos trabalhar no quali para pontuar mais

Next article

GALERIA: Relembre os últimos 10 vencedores do GP da Alemanha

GALERIA: Relembre os últimos 10 vencedores do GP da Alemanha
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Williams
Autor Jonathan Noble