Magnussen: Após anos “horríveis”, a F1 é divertida de novo

compartilhar
comentários
Magnussen: Após anos “horríveis”, a F1 é divertida de novo
Por: Scott Mitchell
13 de ago de 2018 12:31

Kevin Magnussen diz que está se divertindo na Fórmula 1 com a Haas depois de um começo de carreira "horrível" com McLaren e Renault

Kevin Magnussen, Haas F1 Team
Kevin Magnussen, Haas F1 Team VF-18
Kevin Magnussen, Haas F1 Team VF-18
Kevin Magnussen, Haas F1 Team
Kevin Magnussen, Haas F1 Team VF-18
Kevin Magnussen, Haas F1 Team, celebrates after qualifying with a team member
Kevin Magnussen, Haas F1 Team VF-18.
Kevin Magnussen, Haas F1 Team, signs autographs for fans
Kevin Magnussen, Haas F1 Team VF-18, and Pierre Gasly, Toro Rosso STR13
Kevin Magnussen, Haas F1 Team VF-18

No início da temporada de 2017, Kevin Magnussen entrou para a Haas em um contrato de dois anos, após estrear com a McLaren em 2014, ficar da F1 por um ano antes de correr pela Renault em 2016.

O dinamarquês marcou pontos em sete das 12 corridas até agora e está em oitavo no campeonato em sua segunda temporada com o Haas, onde diz se sentir "de volta ao antigo eu".

Magnussen disse ao Motorsport.com que suas duas primeiras temporadas na F1, divididas por um ano nos bastidores, "foram bastante horríveis e muito instáveis com equipes diferentes".

"Está muito divertido, o ano mais divertido que eu já tive na Fórmula 1 e o sentimento mais competitivo e honrado que já tive", acrescentou.

"Eu acho que isso apenas mostra a qualidade da equipe. Eles são capazes de tomar decisões e são capazes de se comprometer e tomar direções, é uma verdadeira força da equipe.”

Leia também:

"Eles não têm nenhuma briga no topo ou diferenças de opiniões. Comigo, concordaram que eu era o tipo de piloto com quem gostariam de se comprometer e seguiram em frente e conseguiram."

Magnussen chegou na Fórmula 1 como campeão da Fórmula Renault 3.5 e conquistou um pódio em sua estreia na categoria no GP da Austrália com a McLaren.

Mas ele perdeu sua vaga no final da temporada, com a equipe optando por manter Jenson Button como companheiro de Fernando Alonso, decisão que foi tomada por razões comerciais.

"Foi um início muito instável na minha carreira na Fórmula 1. Eu tive um grande momento antes de chegar à Fórmula 1 e perdi quando cheguei.”

"A equipe que eu encontrei era muito instável e os dirigentes estavam brigando.”

"A pressão foi enorme, pois sabíamos que estava tudo entre mim e Jenson, começamos a cometer erros e você começa a ficar tenso e a não se sair bem".

Magnussen não estava disposto a estender seu período de um ano na Renault por apenas uma temporada, então assinou um contrato de dois anos com a Haas.

Ele sente que foi selecionado "por falta de opções" para a Renault, que ele achava que também era "um pouco instável".

"Provavelmente, eles não foram por mim pelas razões certas."

"Eu não tinha o apoio que precisava. Ainda acho que fiz um bom trabalho, mas eles já haviam decidido desde o começo que eu não era o cara certo para eles.”

"Mas, felizmente, Haas viu meu potencial e me deu um tiro, eles me ofereceram um acordo onde eu poderia ver estabilidade."

A extensão do contrato aparece apenas como uma formalidade para o jovem de 25 anos.

"Não acho que haja pressa e não acho que vá demorar muito. Não é algo que esteja me estressando."

Próxima Fórmula 1 matéria
Renault admite que subestimou desenvolvimento dos motores

Previous article

Renault admite que subestimou desenvolvimento dos motores

Next article

McLaren descarta promover De Vries à F1 em 2019

McLaren descarta promover De Vries à F1 em 2019
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Autor Scott Mitchell
Tipo de matéria Últimas notícias