Massa quer transformar azar em sorte com estratégia certeira

Brasileiro teve última tentativa para avançar ao Q3 interrompida por bandeira vermelha, mas acredita que uma boa estratégia aliada à boa gama de opções de pneus pode fazer a diferença

Em teoria, bater na trave do Q3 tendo a sua última tentativa de avançar interrompida por uma bandeira vermelha seria motivo de fúria para muitos pilotos. Mas o brasileiro Felipe Massa acredita que o azar deste sábado pode se transformar em sorte se ele – e uma boa estratégia da equipe Williams – conseguir aproveitar as oportunidades apresentadas para o GP da China deste domingo.

Massa largará com um pneu praticamente zerado, já que tinha apenas dado a volta de aquecimento quando, a 90 segundos do fim do Q2, a roda da Force India de Nico Hulkenberg se desprendeu, causando a interrupção da atividade. O brasileiro, que admitiu um pequeno erro na volta rápida completada, não teve tempo hábil para retornar e largará em 10º graças à punição a Hulkenberg.

“Eu não sei se é má sorte ou não. Eu acho que a má sorte é quando algo não está realmente funcionando para a corrida - e talvez isso poderia ser melhor ou não. Começamos ganhando uma posição do Hulkenberg, e largaremos com bons pneus. Então, se nós tivermos uma boa estratégia, talvez possamos ir bem na corrida”, disse o brasileiro.

A expectativa, agora, é de que a estratégia não seja desastrosa como no Bahrein, quando após uma belíssima largada Massa apostou nos pneus médios e perdeu várias posições, terminando em 8º. A ideia na China é aproveitar o grande número de jogos de pneus à disposição e aprender com os erros na última corrida.

“Eu não sei. Eu acho que nós precisamos pensar sobre a melhor estratégia para fazer. Precisamos entender rapidamente a diferença entre o macio e o supermacio. Eu acho que nós precisamos ser inteligentes para descobrir quais são os melhores pneus para a corrida, precisamos entender se haverá muitos pit stops”, disse.

 “Eu tenho um supermacio novo - dois, na verdade -, e com um eu fiz apenas a volta da bandeira vermelha, sem cronometrar, o outro é totalmente novo. Além disso, tenho dois novos jogos de opção, e um outro de médios. É certo que estamos bem em termos de pneus, mas o que precisamos fazer é a estratégia certa", completou.

No Bahrein, a estratégia da Haas de apostar nos supermacios mostrou-se certeira. Com esta possibilidade em seu alcance, Massa acredita que não pode simplesmente repetir o que deu certo na corrida passada.

 “Não significa que só porque a Haas fez uma boa estratégia ela vai funcionar exatamente igual em cada corrida. Então, eu não acho realmente que dá para ter certeza. Na primeira corrida utilizamos o médio, ganhamos um monte de posições e terminamos em quinto. Então eu acho que podem acontecer coisas talvez semelhantes ou na direção oposta a cada corrida, por isso é importante entender - e se precisarmos mudar, devemos mudar. Se nós mudássemos a estratégia na última corrida teríamos terminado mais à frente”.

Com seu companheiro de equipe Valtteri Bottas largando em quinto, Massa faz a avaliação de que atualmente, a luta da Williams é com a Red Bull.

“Se você ver que Valtteri está começando em quinto, ele teria sido sexto porque Hamilton não está lá. É o que fizemos na última corrida. É verdade que você tem uma Red Bull na frente, e eles estavam na frente na última corrida. Então é verdade que a Red Bull está mais rápida do que nós no momento. Estamos ainda lutando com eles, porque na maioria das corridas havia apenas uma Red Bull na frente”, disse.

Entrevistado por Jonathan Noble

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Evento GP da China
Pista Shanghai International Circuit
Tipo de artigo Últimas notícias