McLaren: começo de 2018 é mais difícil que o esperado

A McLaren admitiu que o começo da temporada de 2018 da F1 tem sido mais difícil do que esperava, mesmo que ocupe a terceira posição no Mundial de Construtores.

A equipe inglesa encerrou sua relação problemática com a Honda, que durou três anos, e mudou para os motores Renault. Contudo, o time sofreu problemas de confiabilidade nos testes. 

A McLaren se envolveu em uma acirrada batalha no meio do pelotão na abertura do campeonato, na Austrália, e ficou um pouco mais para trás na classificação do GP do Bahrein, o que deixou o diretor esportivo do time, Eric Boullier, surpreso.

Fernando Alonso e Stoffel Vandoorne conseguiram marcar pontos pela segunda vez consecutivas em Sakhir; contudo, Boullier disse ao Motorsport.com que, definitivamente, foi um começo de temporada mais difícil do que o esperado.

“Temos um bom ritmo de corrida, o que nos ajuda na recuperação, mas nos beneficiamos de circunstâncias de corrida”, disse.

“Marcamos os pontos que tínhamos que marcar, fizemos um bom trabalho para nos recuperar em confiabilidade [depois da pré-temporada], então os rapazes fizeram um bom trabalho na fábrica.”

“Agora, precisamos acertar tudo no sábado e no domingo.”

Os resultados da McLaren foram impulsionados pelo fato de equipes como Red Bull e Haas terem desperdiçado oportunidades de marcar ainda mais pontos.

Boullier admitiu que era levemente “divertido” estar em terceiro lugar no campeonato e que, de certa forma, “deveria estar aliviado” com o resultado.

Contudo, após a corrida, ele ainda estava infeliz com mais um GP do Bahrein ruim, já que se trata da corrida local da acionista da McLaren, a Mumtalakat Holdin Company.

“Nós calculamos errado o fim de semana em termos de acerto. É um erro que já cometemos e que não queremos repetir.”

“Precisamos estar onde acreditamos que deveríamos e não podemos cometer tantos erros assim.”

Depois do GP da Austrália, Alonso declarou que a McLaren poderia se esquecer do pelotão intermediário e começar a mirar a Red Bull, mas admitiu no Bahrein que isso não seria possível até que o MCL33 receba grandes e importantes desenvolvimentos.

“O carro que temos aqui na pista e o carro que estamos desenvolvendo na fábrica são diferentes”, disse o espanhol.

“Aquele carro [da fábrica] está corrigindo todas nossas fraquezas, então precisamos trazer esse carro o mais rápido possível.”

Boullier insistiu que tinha 100% de confiança na equipe técnica da McLaren, e explicou que parte dos problemas do Bahrein se deu à dificuldade de extrair o máximo dos pneus e que os carros carregam muita pressão aerodinâmica. 

Os problemas da McLaren na pré-temporada forçaram a equipe a mudar seu cronograma de evoluções, e Boullier acrescentou: “É por isso que temos muita coisa por vir e é por isso que Fernando está tão otimista em termos de melhorias para as próximas corridas.”

“Espero que isso seja suficiente para deixar o pelotão intermediário para trás.”

A antiga parceira da McLaren, a Honda, obteve seu melhor resultado desde que voltou à F1, com o quarto lugar de Pierre Gasly no Bahrein. “Sempre dissemos que desejamos o melhor para a Honda e eles tiveram um bom carro”, disse Boullier. 

“Eles não cometeram nenhum erro e ficaram em quarto, o que é bom. Muito bem.”

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Equipes McLaren
Tipo de artigo Últimas notícias