McLaren: dificuldade da Honda é parecida com da Jaguar na F1

Zak Brown afirma que fabricante japonesa, assim como Jaguar nos anos 2000, tem problemas por impor visão “corporativa” na gestão esportiva

O diretor executivo da McLaren, Zak Brown, comparou as recentes dificuldades da Honda na F1 com aquelas enfrentadas pela Jaguar em seu programa que fracassou na categoria, no início dos anos 2000.

A McLaren rompeu com a Honda para a temporada de 2018, após três anos de progresso decepcionante e uma persistente falta de resultados.

A Honda foi acusada de ser devagar demais para incorporar sua experiência na F1 e acelerar o desenvolvimento de motor.

Falando no palco do lançamento da Autosport International 2018, Brown disse que havia “várias pequenas razões” para que a McLaren não desse certo com a McLaren, focando particularmente na cultura de F1 que a Honda sofreu em aceitar.

Brown disse que isso é parecido com a vez em que a Jaguar entrou na F1, em 2000, e focou excessivamente em administrar sua operação dos Estados Unidos.

“Eric [Boullier, diretor esportivo da McLaren] falou no começo do ano sobre como há uma certa forma de trabalhar na F1, a cultura da F1, e acho que é algo que eles [Honda] reconhecem agora”, explicou.

“Você meio que viu a mesma coisa com a Jaguar, quando eles chegaram. Eles fizeram as coisas da forma corporativa.”

“Se você olhar para a Mercedes, eles não possuem base na Alemanha – a equipe de competições está na Inglaterra, a estrutura de motores está na Inglaterra. A Renault está dividida entre Inglaterra e França.”

 “Acho que talvez um pouco mais de experiência na F1, experiência direta, provavelmente era o que faltava mais para eles [Honda].”

“Certamente não foi [falta de] esforço ou recursos. A estrutura é ótima, e acho que eles vão acertar. É mais a forma de trabalho. Acho que eles chegarão lá, mas três anos foi o máximo que pudemos esperar.”

Brown afirmou que a McLaren tem “muita confiança” no novo parceiro de motor, a Renault, apesar do persistente problema com confiabilidade que atingiu seus motores na última temporada.

“Eles têm potência. Eles tiveram alguns problemas de confiabilidade quando usaram a potência máxima.”

“No México havia um problema de configuração, mas Max [Verstappen] venceu a corrida de forma bem dominante. Então, eles possuem um motor rápido.”

“Na verdade, acho que os três motores são bem parelhos, e todos eles venceram corridas no ano passado. Então, claramente não há um grande déficit entre as três.”

“Temos áreas em que podemos melhorar, não somos perfeitos, mas a falta de potência era a nossa área de maior fraqueza. Então, acho que, quando tivermos a Renault na traseira, veremos uma diferença substancial na Austrália.”

“Estamos felizes com nossa relação com a Renault, e devemos estar esperançosos em voltar ao lugar onde as pessoas estão acostumadas a ver a McLaren, na frente do pelotão.”

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Equipes McLaren
Tipo de artigo Últimas notícias