McLaren: Liberty não deve se curvar a Mercedes e Ferrari

Chefe da McLaren, Zak Brown, disse que a proprietária da Fórmula 1 não deve se importar com Mercedes e Ferrari nas negociações das futuras regras da categoria

Antes do que Zak Brown acredita ser um período "turbulento" nas discussões para enquadrar os regulamentos da F1 a partir de 2021, o diretor executivo da McLaren quer que a Liberty Media intensifique seus esforços para obter um acordo.

E, embora a Ferrari tenha ameaçado sair da Fórmula 1, se não estiver satisfeita com o que é oferecido, Brown pensa que a Liberty teria errado em acalmar apenas os maiores fabricantes de carros do esporte.

"Eu acho que a Liberty precisa se concentrar no que é melhor para o esporte e o que é melhor para os fãs", disse Brown, durante um almoço com a imprensa na fábrica da McLaren em Woking, nesta quinta-feira.

"Se isso significa que uma equipe ou um fabricante não suporta isso, então precisam estar preparados para reconhecer que eles não vão fazer todos felizes”.

"A sua centralização precisa estar no que é melhor para o esporte. Prefiro perder uma [equipe], substituí-los e ter dez equipes, do que ter uma ou duas equipes [apenas] no campeonato".

Quando perguntado pelo Motorsport.com se há o perigo de que, ao fazer isso, ambos os times pudessem deixar a F1, Brown disse: "Eu acho que isso é altamente improvável, mas acho que qualquer coisa é possível. Portanto, precisamos nos prender a um conjunto de regras que permitem aqueles que estão olhando para o esporte sejam capazes de entrar”.

"Na situação inesperada e esperançosamente improvável que eles [Mercedes e Ferrari] deixariam, o esporte precisa continuar”.

"Eu acho que a Ferrari é um caso único porque eles são a Ferrari, mas perdemos a BMW, perdemos a Toyota e perdemos a Honda antes. Todos nós vimos os fabricantes ir e vir e o esporte e sempre sobreviveu”.

"Então, temos que escrever regras avançando sobre o que é melhor para o esporte, e não o que é melhor para os fabricantes".

Discussões difíceis

Brown não tem dúvidas de que as discussões sobre as regras para 2021 - que provavelmente incluirão um limite de custo de US $ 150 milhões - não serão diretas, e é por isso que ele espera que as questões possam ser ordenadas até meados deste ano para evitar que a F1 seja prejudicada.

"A FIA e a Liberty precisam se mover rapidamente para que possamos ter um período tão curto de negociações quanto possível porque elas serão turbulentas", disse. "Quanto mais demorado, mais perturbador se torna”.

"E também, para estarem completamente preparados para 2021, se novos fabricantes e equipes de motores entrarem, sabemos que leva alguns anos, então o tempo está passando”.

"Gostaria de nos ver chegando ao que parece 2021 no meio desta temporada. Qualquer coisa que seja além disso começa a se tornar tecnicamente desafiador".

Domínio da Mercedes

Brown acredita que as mudanças nas regras de 2021 são uma oportunidade para a F1 melhorar a competitividade, o que ele acha vital, porque teme que a Mercedes deve conquistar os próximos três títulos.

"De acordo com os regulamentos atuais, os gastos atuais, você tem que dizer que são os favoritos para vencer nos próximos três anos", disse.

"Temos a chance de corrigir o que 2021 parece, mas precisamos fazer isso agora: porque acho que a F1 será muito mais divertida e mais valiosa para todos nós se tivéssemos quatro, cinco ou seis equipes vencendo corridas e com chance de campeonato. Penso que isso será mais saudável”.

"Eu não acho que a Mercedes ganha mais crédito vencendo 15 corridas e o campeonato do que se eles ganhassem cinco corridas e o campeonato. Tudo o que faz é tornar o esporte mais divertido do que é hoje".

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias