Mercedes confia que resolveu problemas em corridas quentes

compartilhar
comentários
Mercedes confia que resolveu problemas em corridas quentes
Por: Scott Mitchell
7 de ago de 2018 10:52

A Mercedes está otimista que progrediu em sua fraqueza com temperaturas altas e renderá melhor em corridas mais quentes no futuro.

A Mercedes tradicionalmente sobrecarrega seus pneus traseiros mais do que suas rivais, o que deixa o time vulnerável nas corridas com temperaturas mais altas.

Contudo, a vitória de Lewis Hamilton no GP da Hungria foi obtida com 33º C no ar e 57º C no asfalto.

O ponto crucial para a vitória de Hamilton foi a estratégia de uma única parada, executada graças a um primeiro stint longo com os ultramacios e um segundo stint de macios.

Ao explicar a habilidade de Hamilton em gerenciar o pneu, o chefe da Mercedes, Toto Wolff, disse: “Andar no ar livre desempenhou um grande papel, mas também é um pequeno mistério que às vezes nós conseguimos render com um pneu e não conseguimos render com outro. Acho que aconteceu o contrário com a Ferrari [na Hungria].”

“Há mais dados para coletar, mais a entender, mas o sentimento predominante e abrangente para nós é que vencemos a corrida em Budapeste com uma temperatura [de asfalto] de 60º.”

“Isso foi algo que não pensamos que seria alcançável para nós. Isso me dá uma boa sensação de que entendemos mais e que podemos ser mais competitivos nas corridas quentes no futuro.”

Hamilton teve dificuldades nos treinos da Hungria e admitiu, antes da prova, que a gestão dos pneus traseiros era normalmente um ponto forte da Ferrari.

Ele rejeitou a sugestão de que sua própria performance antes da Hungria havia indicado que a Mercedes encontrou a solução.

“Se você olhar para alguns dos comentários da última corrida, foi como: ‘Oh, a Mercedes, de repente, sabe. Nessa corrida eles fizeram os pneus durarem’, o que não era o caso”, disse o piloto.

A Mercedes reconhece que a melhora da gestão dos pneus não é uma questão de encontrar uma solução que funcione em todo lugar.

É um processo complexo, que depende das temperaturas do ar e do asfalto e do traçado da pista.

Diretor técnico da Mercedes, James Allison disse depois da corrida que foi uma combinação entre o carro de 2018 ser mais gentil com os pneus, o acerto do fim de semana e a habilidade de Hamilton em administrar a borracha.

Outra área em que a Mercedes melhorou foi nas largadas, com Hamilton e Valtteri Bottas permanecendo à frente das Ferrari na curva 1.

Wolff havia anteriormente indicado que este era um ponto fraco da Mercedes, e Hamilton o descreveu como um “processo em andamento”.

“As Ferraris são muito, muito boas na largada. Eles vêm sendo [bons] há anos. Obviamente, é uma prioridade em todos os anos. O mínimo que você quer é manter a posição, e o que você mais quer fazer é ganhar metros em relação aos outros. Estamos trabalhando constantemente. Há muito trabalho a fazer para melhorar.”

Próxima Fórmula 1 matéria
Steiner: F1 deveria salvar os times atuais, e não ter novos

Previous article

Steiner: F1 deveria salvar os times atuais, e não ter novos

Next article

Piloto do simulador da Red Bull detalha teste “insano” na F1

Piloto do simulador da Red Bull detalha teste “insano” na F1
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Pilotos Lewis Hamilton Shop Now
Equipes Mercedes Shop Now
Autor Scott Mitchell
Tipo de matéria Últimas notícias