Mercedes defende estratégia de contratações de pessoal

Após críticas de chefe da Renault, Toto Wolff minimiza palavras de concorrente

Cyril Abiteboul disse que a Mercedes está sendo "injusta" na forma como impede que ex-membros ficam presos às clausulas contratuais que atrasam alguma mudança para outras equipes da F1.

O chefe da Renault disse que os termos contratuais "agressivos" são ruins porque impedem a disseminação de conhecimento que manteria o grid competitivo.

Mas Toto Wolff defendeu a Mercedes e sugeriu que os comentários de Abiteboul surgiram depois que a Renault perdeu a oportunidade de contratar um dos membros do time tetracampeão mundial.

"É simplesmente uma questão de manter as partes importantes da organização para garantir a estabilidade", disse Wolff ao Motorsport.com.

"Neste caso, era um funcionário que acabou de assinar um novo contrato, a quem a Renault gostaria de ter e isso não foi possível."

A Mercedes teve uma forte mudança recentemente, quando Paddy Lowe deixou seu papel de diretor executivo, para se juntar à Williams e com a vinda de James Allison.

Wolff disse que a forma como a equipe lidou com essa mudança e conseguiu defender ambos os campeonatos - de pilotos e construtores - pelo quarto ano consecutivo prova a força e a profundidade da equipe.

"É a amplitude da equipe responsável pelo sucesso", disse ele. "A durabilidade teve uma grande influência no sucesso. A equipe que colocamos fez um bom trabalho.”

"Paddy tem excelentes qualidades, mas ter James Allison foi a melhor decisão que poderíamos ter feito.”

"O sucesso de uma equipe de F1 não é o sucesso de uma única pessoa - não de mim e não de Niki [Lauda], nem de Ross [Brawn] ou Norbert [Haug] - mas sim da soma das pessoas que trabalham em conjunto.”

"Devemos criar as condições de estrutura para que possam ter sucesso."

 
Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Equipes Mercedes
Tipo de artigo Últimas notícias