Mercedes explica motivo de não usar hipermacio em Barcelona

compartilhar
comentários
Mercedes explica motivo de não usar hipermacio em Barcelona
Por: Scott Mitchell
Co-autor: James Newbold
16 de mar de 2018 09:45

Toto Wolff diz que equipe evitou uso do pneu hipermacio nos testes por entender que o composto era apenas para classificações

Valtteri Bottas, Mercedes-AMG F1 W09
Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 W09
Lewis Hamilton, Mercedes-AMG F1 W09
Valtteri Bottas, Mercedes AMG F1 W09
Valtteri Bottas, Mercedes-AMG F1 W09
Valtteri Bottas, Mercedes-AMG F1 W09
Valtteri Bottas, Mercedes-AMG F1 W09
Valtteri Bottas, Mercedes-AMG F1 W09
Valtteri Bottas, Mercedes-AMG F1 W09

Lewis Hamilton e Valtteri Bottas terminaram as duas semanas de testes em Barcelona mais do que um segundo do ritmo de Sebastian Vettel, mas não priorizaram os tempos de volta, optando somente pelo composto ultramacio quando não estavam de médios e macios.

O chef da Mercedes, Toto Wolff, minimiza uma potencial preocupação, dizendo que a decisão foi melhor para a Mercedes como um todo.

“Decidimos não usar o hipermacio porque sentimos que é um pneu útil por apenas uma volta e nos testes demos prioridade a colher dados e compreender setups”, disse ele.

“O hipermacio é apenas um passo à frente do ultramacio. É um pneu para classificação e sentimos que era necessário nos concentrar no desenvolvimento do carro para além de uma volta.”

“Acho que o hiper será apenas um pneu de classificação. Você precisa sobreviver com eles.”

Wolff disse que “cada carro” sofreu com bolhas com os compostos mais macios nos testes e reconheceu que isso pode tornar as corridas mais emocionantes.

“Vimos pequenos passos no desempenho e aderência entre os compostos”, disse ele. “Entre os médios e os macios, macios e supermacios, supermacios e ultramacios, você pode ver pequenos passos, entre um décimo ou dois, e às vezes nenhum ganho.”

“Como algumas equipes, como a Williams, não houve esse passo à frente.”

O hipermacio da Pirelli apareceu em Abu Dhabi no teste de pós-temporada, em novembro passado, e Bottas disse que foi uma oportunidade suficiente para experimentar o novo composto para 2018.

Ele concordou com Wolff, que a vida dos pneus o tornou irrelevante para os testes na Espanha, afirmando que "eles só durariam uma volta" em um circuito de alta como o Barcelona.

"Eles são mais aderentes, com base no que sabemos, então eu não acho que haja um risco", continuou ele. "Nós decidimos nos concentrar nos pneus que são mais prováveis de serem usados neste tipo de pista."

Bottas admitiu que os testes com hipermacios não eram inteiramente representativos, dizendo: "Sabemos que o teste foi bom, especialmente nosso desempenho de longo prazo.”

"Mas é apenas uma pista, um [conjunto de] condições, um tipo de pneu."

Ele acrescentou: "Eu acho que definitivamente precisamos ser cautelosos, foram condições únicas. Sabemos que Melbourne será diferente, Bahrein e China serão diferentes.”

"Nós podemos estimar muito bem, mas precisamos provar em Melbourne que o carro também funciona lá."

Próxima Fórmula 1 matéria
FIA: nova regra para queima de óleo trará resultado

Previous article

FIA: nova regra para queima de óleo trará resultado

Next article

Hartley aconselha Kvyat a ir ao WEC para dar volta por cima

Hartley aconselha Kvyat a ir ao WEC para dar volta por cima

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Mercedes
Autor Scott Mitchell
Tipo de matéria Últimas notícias