Mercedes explica uso de modos de potência do motor

Equipe explicou como funciona os modos de unidade de potência, após entender que assunto foi um dos mais quentes do GP da Austrália

Lewis Hamilton brincou antes do início da temporada que a especificação de classificação do motor da Mercedes “era o modo de festa”, o que provocou muito debate durante o final de semana em Melbourne.

Ferrari e a Red Bull estavam perto do ritmo da Mercedes nas duas primeiras fases da classificação na Austrália, antes de Hamilton conquistar a pole por mais de seis décimos de segundo.

Hamilton negou que tenha sido um modo especial para a parte final da classificação, insistindo que era o mesmo que no Q2, embora a história da Mercedes em dar um passo significativo do Q2 para o Q3 levou alguns a sugerir que isso não era verdade.

A Mercedes explicou que usa um modo para a maioria de cada parte do fim de semana de corrida: os três treinos livres, classificação e corrida.

No entanto, o uso de seu modo mais potente “varia de acordo com o contexto competitivo” e, assim, “às vezes esse modo de classificação será usado durante toda a sessão, às vezes apenas no Q3”.

Uma unidade de potência da F1 atual inclui o motor de combustão interna (ICE), turbo, MGU-K e MGU-H, controle eletrônico e armazenamento de energia.

Os diferentes componentes podem ser instruídos a interagir de forma diferente, por exemplo, melhorando o desempenho do ICE, injetando mais combustível na câmara de combustão ou alterando o tempo da ignição, ou alterando como a MGU-K e a MGU-H podem recuperar e implantar energia.

Os três modos básicos de potência da Mercedes têm diferentes configurações suplementares que afetam a forma como a MGU-K e a MGU-H recuperam ou distribuem energia, com a Mercedes destacando o início da corrida como uma oportunidade para “implantação total”.

Modo de conservação

A conservação é a prioridade nos treinos e em partes da corrida, e a Mercedes usa um “modo de gerenciamento de energia de recuperação” durante o GP, já que equilibra a “estratégia corajosa e a estratégia tática”.

Ambos os pilotos sofreram superaquecimento durante o GP da Austrália e a Mercedes explicou que reduzir o desempenho de seus modos de corrida ajudou a gerenciar essa situação - a mesma tática foi empregada durante um período de Safety Car.

Hamilton e seu companheiro de equipe, Valtteri Bottas, recebem informações sobre quilometragem dos modos de maior potência para proteger os motores, já que as restrições foram reforçadas para 2018 e cada piloto não deve usar mais de três motores ao longo da temporada.

Essa quilometragem é ditada pelo que a Mercedes chamou de “documento de fase”, que define os limites aos quais os motores em seus carros de trabalho e das equipes clientes podem ser usados durante cada fim de semana de corrida.

De acordo com a Mercedes, a quarta etapa da temporada, no Azerbaijão, é o primeiro circuito "sensível à energia": uma pista "dominada por longas retas e zonas de aceleração".

A Mercedes disse que "será interessante ver como o enredo em torno dos modos de motor se desenvolvem à medida que a temporada avança, particularmente quando a F1 chegar a esses locais mais sensíveis à potência".

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Equipes Mercedes
Tipo de artigo Últimas notícias