Mercedes: “Grande aposta” torna Ferrari favorita no Brasil

compartilhar
comentários
Mercedes: “Grande aposta” torna Ferrari favorita no Brasil
Por: Ducati Press
Traduzido por: Daniel Betting
11 de nov de 2018 10:35

Toto Wolff, chefe da Mercedes, disse que a Ferrari é a favorita à vitória no GP do Brasil, depois que a equipe italiana apostou tudo em uma estratégia arriscada na classificação

A Ferrari trocou os pneus de Sebastian Vettel e Kimi Raikkonen para o composto macio da Pirelli depois de apenas uma volta com os supermacios no início do Q2, quando a chuva era considerada iminente.

Vettel e Raikkonen andaram rápidos o suficiente para passarem para o Q3 e, portanto, começarão a corrida com o pneu macia, teoricamente mais durável, enquanto os pilotos da Mercedes e da Red Bull devem largar com os supermacios, tendo estabelecido os tempos mais rápidos do Q2 com aqueles compostos.

Lewis Hamilton vai largar da pole depois de ir mais rápido no Q3, mas, como Valtteri Bottas, Daniel Ricciardo e Max Verstappen, ele não conseguiu melhorar sua volta do Q2 com os supermacios após mudar para os macios. Vettel e Raikkonen vão largar em segundo e quarto lugares, respectivamente.

"A Ferrari fez uma grande aposta na classificação, trocando pneus quando a chuva era iminente", disse o chefe da Mercedes, Toto Wolff.

Leia também:

“E valeu a pena. Eles terão o pneu mais robusto para amanhã”, completou logo após o quali.

“Eles têm uma desvantagem no início, mas uma grande vantagem nas primeiras 10-15 voltas, que os deixa como favoritos.”

"Nós não corremos esse risco porque pensamos que era desproporcional, mas entendemos que para a Ferrari, a única maneira de realmente se manter na luta pelo campeonato de construtores é fazer as coisas de maneira diferente e correr riscos, e foi o que eles fizeram e valeu a pena.”

A tendência do Mercedes W09 de superaquecer os pneus traseiros no dia da corrida foi particularmente pronunciada nos GPs dos Estados Unidos e do México, e em ambos os casos as Flechas de Prata foram derrotadas.

A Pirelli acredita que a estratégia mais rápida de corrida do GP do Brasil, se as condições continuarem como esperado, envolve uma única parada após 32 ou 36 voltas com pneus macios, seguida de uma corrida com os médios. Os equipados com os supermacios podem ter que parar até sete voltas antes.

O dia da corrida está previsto para ser mais quente do que qualquer outro do fim de semana de GP do Brasil, introduzindo outro elemento de incerteza na gestão de pneus.

"Nós modificamos as coisas para este fim de semana", disse Wolff.

“E temos sido felizes até agora com o que vimos, mas mesmo assim o superaquecimento dos pneus será a maior luta, mantendo os pneus vivos, não fazendo bolhas.”

"Com a desvantagem mencionada do supermacio contra o macio, estamos um pouco atrás."

Reportagem adicional de Scott Mitchell

Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 W09 EQ Power+, parks up after securing pole alongside team mate Valtteri Bottas, Mercedes AMG F1 W09 EQ Power+

Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 W09 EQ Power+, parks up after securing pole alongside teammate Valtteri Bottas, Mercedes AMG F1 W09 EQ Power+

Photo by: Glenn Dunbar / LAT Images

Next article
Gil de Ferran: McLaren já entende pontos fracos do carro

Previous article

Gil de Ferran: McLaren já entende pontos fracos do carro

Next article

Leclerc: Ser tido como futuro campeão é “grande honra”

Leclerc: Ser tido como futuro campeão é “grande honra”
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Evento GP do Brasil
Equipes Ferrari Shop Now , Mercedes Shop Now
Autor Ducati Press