Mercedes: Perder MGU-H será "passo para trás"

Decisão de tirar o MGU-H é um "passo para trás" para os regulamentos da Fórmula 1 de 2021, de acordo com Andy Cowell, da Mercedes

No ano passado, a FIA esboçou um plano detalhado para perder o elemento de recuperação de energia térmica para a próxima geração de motores híbridos da F1, e reiterou o plano no mês passado.

O diretor técnico da Honda, Toyoharu Tanabe, disse que sua empresa "perderia" o componente, e os outros fabricantes de motores da F1 concordaram que apoiariam a manutenção do MGU-H quando perguntados pelo Motorsport.com.

Andy Cowell, o diretorda Mercedes High Performance Powertrains, disse que isso removerá "muita energia" dos motores.

Ele explicou que o MGU-H fornece 60% da energia elétrica usada para alimentar a outra parte do sistema de recuperação de energia, o MGU-K, e contribui com 5% da eficiência térmica do motor atual.

"O MGU-H foi responsabilizado pela falta de ruído e pela alta complexidade", disse Cowell. "Para compensar a diferença de potência, teremos que aumentar a taxa de fluxo de combustível, que é um passo para trás."

"Não é progresso. Parece um passo para trás quando o trabalho de desenvolvimento foi feito."

Cowell disse que os fabricantes de motores agora precisarão desenvolver sistemas anti-lag para os motores turboalimentados, já que o MGU-H é "o mais maravilhoso sistema anti-lag porque dá controle de velocidade".

E ele acrescentou: "Nós teremos que criar vários sistemas e dispositivos e isso provavelmente envolverá queima de combustível por meio de escapamento, o que não parece ser a coisa mais honrada a se fazer como engenheiro."

"Mas é um equilíbrio entre tecnologia e entretenimento e temos que acertar esse equilíbrio."

O diretor técnico da Ferrari, Mattia Binotto, disse que os exemplos de Cowell são evidências de que o MGU-H é um "componente fantástico e eficiente".

No entanto, ele disse que há a necessidade de compromisso na busca de "espetáculo, ruído, simplificação e custos" é por isso a Ferrari "aceitou" que o MGU-H fosse removido.

"Quando você está lidando com compromissos, sempre pode haver opiniões diferentes", disse ele. "Isso não significa que precisamos padronizar totalmente as unidades de energia."

"É importante mantermos o desafio dessas tecnologias e manter o motor como um diferencial competitivo entre os fabricantes, porque esse é o DNA da F1."

O diretor técnico de motores da Renault, Remi Taffin, disse que os quatro fabricantes haviam esboçado seu desejo de manter o MGU-H como parte de uma "proposta inicial".

Ele alegou que havia agora "alternativas", e a Renault encontraria outros usos para a tecnologia.

"Estamos tentando ter boas discussões para continuar desenvolvendo essa unidade de energia de uma maneira diferente", disse ele. "Nós fizemos muito trabalho no MGU-H, está funcionando, é uma parte muito legal. Não é algo que vamos colocar na prateleira e esquecer."

"Temos outros projetos, temos a Fórmula E. A MGU-H não é diretamente traduzível, mas é um motor de alta velocidade, é uma tecnologia única e não vamos jogar isso fora."

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Equipes Mercedes
Tipo de artigo Últimas notícias