Mercedes promete carro "muito mais agressivo" em 2018

compartilhar
comentários
Mercedes promete carro
Traduzido por: Daniel Betting
24 de dez de 2017 12:37

Equipe alemã procurou construir o que descreveu como um "carro com 90%" da temporada 2017, que foi o primeiro ano de um novo conjunto de regras

Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 W08 airbox
Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 W08
Valtteri Bottas, Mercedes AMG F1 W08
Valtteri Bottas, Mercedes AMG F1 W08
Valtteri Bottas, Mercedes AMG F1 W08
Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 W08
Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 W08
Valtteri Bottas, Mercedes-Benz F1 W08
Valtteri Bottas, Mercedes-Benz F1 W08

A equipe que dominou a era do motor turbo híbrido V6 dominou a Fórmula 1 pelo quarto ano consecutivo, embora admita que não quis ser muito ambiciosa em seu primeiro carro após a mudança de regulamento.

Falando exclusivamente para a revista F1 Racing, de propriedade da Motorsport Network, sobre o Mercedes W08, o chefe de design John Owen disse que teve mais flexibilidade do que com o W07 de 2016 e o de 2018 será mais agressivo.

"Estabeleci o objetivo de construir um carro com 90% para 2017", disse Owen.

"Pode parecer estranho não apontar para 100%, mas o problema que você enfrenta em qualquer mudança de regras é que não pode estar seguro dos desafios que vai enfrentar: como o regulamento muda, se os pneus funcionarão de uma maneira diferente do que esperava..."

"Há muitas incógnitas, então você procura um carro que possa cobrir quantas circunstâncias diferentes forem possíveis, e tem que aceitar que talvez não consiga a otimização completa".

"Nós fizemos muitos ajustes no carro, a capacidade de reagir às coisas que vimos".

"Infelizmente, a maioria das coisas que tivemos que nos adaptar não conseguimos ver. Então, tivemos muito compromisso durante o ano em coisas que não precisavam ser alteradas e sofremos um pouco com aquelas que mudaram".

Owen acrescentou que a maior otimização do conceito do carro "tende a ocorrer no segundo ou terceiro ano da estabilidade do regulamento", e que a mudança de última hora que teve que ser feita antes de 2017 teria sido muito pior ano antes.

"O que eu quero dizer [com o fato de ter feito um carro com 90%] é que deixamos muita margem em algumas áreas", disse. "O motivo era que queríamos nos permitir reagir durante o processo de design e mudar as coisas".

"Não sabíamos onde o desenvolvimento aerodinâmico nos levaria: em quais áreas do carro teríamos que encontrar mais espaço para o rendimento aerodinâmico, quais áreas eram zonas seguras onde não poderia mais ser melhorada..."

"Se você pode mover coisas no carro e não precisa reinventar cada parte em cada novo desenvolvimento, é muito bom".

"Tivemos uma mudança muito tardia em um aspecto da unidade de potência e, por nossa filosofia, conseguimos acomodá-lo razoavelmente bem".

"Se isso tivesse acontecido no nosso carro de 2016, literalmente tínhamos que rasgar o projeto e começar de novo".

"Foi positivo ter aquela pequena margem para respirar e, para o próximo carro, podemos nos dar ao luxo de ser muito mais agressivos".

Glenn Freeman/Stuart Codling

Próxima Fórmula 1 matéria
Alonso: Schumacher foi muito rápido e intimidador às vezes

Previous article

Alonso: Schumacher foi muito rápido e intimidador às vezes

Next article

Em Baku, Vettel teve “o pior sentimento” de 2017

Em Baku, Vettel teve “o pior sentimento” de 2017
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Equipes Mercedes Shop Now
Tipo de matéria Últimas notícias