Mercedes quer respostas sobre hipermacio antes do Canadá

compartilhar
comentários
Mercedes quer respostas sobre hipermacio antes do Canadá
Adam Cooper
Por: Adam Cooper
Traduzido por: Daniel Betting
30 de mai de 2018 20:45

Equipe Mercedes admite que precisa encontrar respostas para seus problemas com o pneu hipermacio antes do GP do Canadá, depois de ter lutado com os compostos em Mônaco

Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 W09
Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 W09, leads Kimi Raikkonen, Ferrari SF71H
Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1, fills the shoe of Daniel Ricciardo, Red Bull Racing with Champagne
Lewis Hamilton, Mercedes-AMG F1 in the Press Conference
Victor Daniel Ricciardo, Red Bull Racing RB14, is greeted by marshals waving flags, ahead of Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 W09 and Kimi Raikkonen, Ferrari SF71H
Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1 W09
Lewis Hamilton, Mercedes-AMG F1 W09
Lewis Hamilton, Mercedes-AMG F1 W09
Third place Lewis Hamilton, Mercedes AMG F1, arrives in Parc Ferme

O novo composto hipermacio da Pirelli foi introduzido em Mônaco e será usado novamente em Montreal. Lewis Hamilton e Valtteri Bottas lutaram mais do que seus principais rivais com o novo pneu, na medida em que a equipe até tentou passar pelo Q2 com o ultramacio, para que eles não tivessem que usar o composto mais macio da corrida.

Essa tática não funcionou, e ambos os pilotos sofreram com a grande degradação do hipermacio na corrida. Desde então, a equipe estuda o que pode fazer para que o W09 funcione melhor com o pneu mais macio da gama da Pirelli.

"Isso é o que temos trabalhado um pouco nesta semana", disse Andrew Shovlin, diretor de engenharia de pista em um vídeo da Mercedes. “Vimos outras pessoas para cima e para baixo na pista em uma situação similar, mas para nós, Red Bull e Ferrari pareciam mais fortes.

"Agora temos algumas boas ideias sobre o que deu errado, e vamos trabalhar um pouco mais aqui para compreender isso, porque precisamos superar o problema em Montreal.”

"Temos os mesmos pneus, você pode ter problemas semelhantes e precisamos ter certeza de que não estamos expostos. Em Montreal, se você perder o ritmo e estiver sofrendo degradação, as pessoas passarão por você com muita facilidade”, concluiu.

Déficits de Mônaco

Juntamente com os problemas dos pneus, a Mercedes lutou por um ritmo brutal contra seus principais rivais em Mônaco, e isso também tem sido um foco.

"É outra coisa que temos trabalhado nesta semana, tentando entender exatamente onde estão os déficits", acrescentou. “Na qualificação, estávamos um pouco atrás e, para ser honesto, fomos a Mónaco sem a expectativa de igualar com os Red Bulls. Eles sempre parecem bons nos circuitos de downforce muito altos, circuitos com curvas de baixa velocidade. Mônaco é uma corrida em que não dominamos há muito tempo.”

“A realidade é que será uma combinação de muitas, muitas coisas. Na classificação, acho que estávamos conseguindo que os pneus funcionassem muito bem, era apenas uma questão de aderência, e também de downforce, e mantê-los bem no setor final. Nós éramos bons no setor um, mas é bem difícil colocar tudo junto na volta. Então, acho que estamos apenas procurando pequenas diferenças.”

“E então, na corrida, entender esse problema no hipermacio era outra questão, que não seria apenas a performance do carro. Precisamos olhar para o que estávamos fazendo com o carro, como estávamos usando, como nós estávamos montando tudo.”

“E estamos fazendo algum trabalho agora para tentar entender todos esses problemas. Mas como eu disse, invariavelmente, geralmente é o caso quando você sofre um problema de desempenho, não é apenas um, mas uma combinação de vários fatores.”

Confira os dez momentos mais marcantes do GP de Mônaco

 

Próxima Fórmula 1 matéria
Leclerc acha “incríveis” elogios de outros pilotos

Previous article

Leclerc acha “incríveis” elogios de outros pilotos

Next article

Chefe de aerodinâmica da Williams é demitido

Chefe de aerodinâmica da Williams é demitido