Mercedes revela conversas com McLaren, mas diz: “Era tarde”

Toto Wolff diz que não houve tempo suficiente para que fabricante alemã montasse a estrutura para obter um cliente a mais em 2018

A Mercedes esteve em conversas com a McLaren para fornecimento de motores para a temporada de 2018 da F1, mas não houve tempo hábil para a conclusão das negociações. É o que disse Toto Wolff, chefe esportivo da fabricante alemã.

A McLaren rompeu seu acordo com a Honda, que durava desde 2015. Pouco depois, a equipe inglesa anunciou que passaria a utilizar as unidades da Renault, em contrato válido até 2020.

Wolff contou que considerou de fato uma parceria com a McLaren, mas que ficou “tarde demais” para completar o acordo.

“Nós queríamos dar à McLaren um motor”, disse Wolff, ao site da ESPN. “O problema é que isso se arrastou por um longo tempo e nós simplesmente não tínhamos a estrutura e a capacidade para fornecê-los um motor para 2018. Simplesmente era tarde demais.”

O dirigente comentou, contudo, que a Mercedes escolhe cuidadosamente seus parceiros justamente para evitar conflitos públicos – e citou como mau exemplo o tratamento dado pela Red Bull à Renault.

“É exatamente pelo fato de estarem falando assim e minando seu atual parceiro que eles [Red Bull] não estão tendo um”, contou.

“Na F1, como tudo na vida, seja no aspecto privado ou no trabalho, trata-se de compromisso e de reconhecer as forças e fraquezas de seu parceiro, ajudando um ao outro.”

“Essa é a cultura que temos na Mercedes e é isso que nos fez ter sucesso nos últimos anos. Respeito é uma parte superimportante em nossos valores, e é por isso que escolhemos os parceiros que temos.”

A Mercedes forneceu motores à McLaren entre 1995 e 2014, em período em que a equipe conquistou três títulos mundiais de pilotos – dois com Mika Hakkinen e um com Lewis Hamilton.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias