Ministro diz que Malásia não renovará contrato com F1

Acordo com categoria vai até o fim de 2018 e não deve continuar no calendário da categoria

O futuro do GP da Malásia foi posto em dúvida no mês passado, depois de uma reunião entre os acionistas de Sepang e o Ministério das Finanças, após as baixas vendas de ingressos e os menores números de audiência na TV da história do evento.

O ministro da Juventude e Esportes da Malásia, Khairy Jamaluddin, disse que o GP é muito caro e que o país deve focar somente na corrida de MotoGP.

Sepang tem acordo para sediar o GP de F1 por mais dois anos, mas o ministro de turismo e cultura Nazri Abdul Aziz disse nesta segunda-feira que o contrato não será renovado.

"O acordo atual é de 2016 a 2018. Assim, uma vez que ele terminar, não será renovado", disse Aziz à mídia local.

"O comparecimento à F1 está caindo e estamos gastando US$ 97 milhões por ano", cerva de R$ 320 milhões.

"Os custos da F1 aumentaram 10 vezes, em comparação com a  primeira vez que foi realizada."

A notícia vem depois de Bernie Ecclestone falar que Cingapura também queria desistir de sua corrida de Fórmula 1.

Be part of something big

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias
Tags malaysian gp, sepang