"Não tínhamos condições de brigar pela vitória", admite Raikkonen

Piloto da Lotus diz que estratégia foi a melhor possível e que carro não perdeu desempenho após toque em Pérez

Kimi durante o GP da China

Kimi Raikkonen mostra nessas primeiras de 2013 que está conseguindo manter a mesma regularidade que o fez brigar pelo título no ano passado. Hoje, na China, terminou em segundo, a melhor posição possível, segundo ele, já que a Lotus não tinha condições de brigar pela vitória.

“Foi a melhor estratégia possível e o melhor que poderíamos conseguir. O ponto é que não éramos capazes de brigar pela vitória, então trabalhamos para buscar o máximo possível de pontos”, explicou o finlandês, que está na segunda colocação no campeonato, com 49 pontos, três a menos que Vettel.

O único revés que poderia colocar seu plano abaixo foi um toque com Sergio Pérez, logo após sua primeira parada. Raikkonen reclamou do mexicano pelo rádio. “Eu estava mais rápido e pensei que ele iria me deixar espaço suficiente, mas ele me empurrou para fora da pista. Eu ainda tentei evitar o contato, mas fui para a grama e perdi aderência, então acertei a traseira dele. Não sei se ele me viu, mas eu não tive como evitar o toque”, argumentou.

O acidente danificou a asa dianteira do finlandês, mas surpreendentemente não piorou muito o desempenho do carro. “Eu fiquei surpreso, não houve danos, o carro continuou OK. Apenas tivemos um pouco mais de desgaste nos pneus dianteiros”, contou Raikkonen.

Seu companheiro Grosjean, sem ter o que comemorar, foi o nono. "Tivemos uma corrida longa, difícil e de novo não conseguimos fazê-la funcionar tão bem quanto gostaríamos", lamentou.

"Definitivamente não estou feliz com o nono lugar, começamos em sexto e achávamos que tínhamos de terminar no Top 5, mas infelizmente não conseguimos. Espero mais do Bahrein, com certeza."

 

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Evento GP da China
Pilotos Kimi Raikkonen , Romain Grosjean
Tipo de artigo Últimas notícias