Nova suspensão pode indicar nova tendência para F1 em 2017

25,459 visualizações

Ferrari deve ter novo sistema que pode revolucionar desenhos de suspensão no grid para temporada deste ano

As principais equipes de Fórmula 1 podem ser forçadas a revisar seus sistemas de suspensão às vésperas da temporada de 2017 em meio a uma disputa após uma consulta da Ferrari à FIA.

Mesmo que o sistema de suspensão FRIC (com partes dianteiras e traseiras conectadas) tenha sido efetivamente banido em 2014, isso não impediu que algumas equipes encontrassem maneiras alternativas de melhorar o manuseio de seus carros.

A Mercedes, em particular, tem desenvolvido sistemas hidráulicos totalmente legais para melhorar a estabilidade geral do chassi (o que ajuda na frenagem e nas curvas) para ajudar os pilotos a serem mais agressivos nas linhas de condução e cuidando mais dos pneus.

Os benefícios do sistema foram claros em 2016: a Mercedes foi muito melhor na vida dos pneus. Acredita-se ainda que outros equipamentos estivessem sendo preparados para aumentar a tecnologia.

A Red Bull fez grandes progressos nos últimos 12 meses para entender a dinâmica de seu próprio carro, tendo conseguido explorar novamente os ângulos radicais, integrantes de seu conceito aerodinâmico.

Carta da Ferrari

Mas a tecnologia da suspensão que está sendo utilizada no momento foi colocada em dúvida depois que a Ferrari consultou o uso de um novo conceito em carta à FIA antes do Natal.

Como é prática comum na F1, as equipes podem escrever para a FIA para discutir se a entidade acredita ou não que as novas ideias sejam legais – e se não forem, as equipes rivais são informadas para ajudá-las a evitar a solução em seus próprios conceitos.

Este sistema também é usado por equipes para tentar esclarecer se a tecnologia usada pelas rivais é legal.

Na carta ao diretor de provas da F1, Charlie Whiting, o chefe de design da Ferrari, Simone Resta, disse que a equipe quer propor um sistema que pudesse replicar o FRIC sem que houvesse realmente uma conexão física entre a frente e a traseira do carro.

A questão era saber se esses sistemas violavam ou não o artigo 3.15 dos regulamentos técnicos da F1 que efetivamente baniam dispositivos aerodinâmicos móveis, pois poderiam ajudar as características aerodinâmicas do carro.

Esclarecimento das regras

Resta queria que a FIA confirmasse se os sistemas de suspensão com duas características são legais. Os conceitos exibiam:

1) deslocamento em uma direção oposta à carga aplicada durante uma parte ou a totalidade do seu deslocamento, independentemente da fonte da energia armazenada utilizada para conseguir.

2) um meio pelo qual parte da energia recuperada das forças e deslocamentos na roda poderia ser armazenada para a liberação em outra altura posterior da suspensão.

Em resposta à Ferrari, Whiting disse que acredita que qualquer sistema de suspensão que aja desta forma não estaria em conformidade com os regulamentos.

Whiting disse: "Em nossa opinião, qualquer sistema de suspensão que seja capaz de alterar a resposta do sistema em um carro, conforme a descrição, isso está suscetível a infringir o Artigo 3.15 do Regulamento Técnico F1".

Discussões em curso

Embora a resposta de Whiting pareça proibir o uso da tecnologia de suspensão, entende-se que equipes com sistemas similares já questionaram o avanço. Isso significa que discussões estão em andamento sobre o que é e não é permitido para 2017.

Qualquer equipe que esteja andando com um dispositivo que possa estar violando as regras enfrenta um dilema: arriscar que ele seja proibido em decisão final, ou buscar um sistema alternativo que possa não ser tão competitivo.

O primeiro teste da F1 em 2017 deve ser realizado em Barcelona, ​​Espanha, no dia 27 de fevereiro.

Reportagem adicional Franco Nugnes

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Equipes Ferrari , Red Bull Racing , Mercedes
Tipo de artigo Análise
Tags charlie whiting, fric