Novo diretor da McLaren diz que irá inovar em função

Em entrevista exclusiva ao Motorsport.com, Zak Brown fala de nova função como diretor executivo da McLaren

P. Como você se sente ao se juntar à McLaren?

Eu não ficava feliz assim há em muito tempo, me sinto como uma criança. Parece que o Natal chegou cedo. É uma sensação absolutamente incrível. Tive uma grande caminhada ao redor do prédio olhando para ele.

Esta é uma oportunidade para entender o que foi a minha equipe de sonho enquanto crescia. Para mim, a McLaren é a era Senna e depois a era Mika Hakkinen. Sempre foi minha equipe favorita de F1.

Há muitas pessoas aqui com quem fiz muitos negócios na última década. É realmente bom ter a oportunidade de ajudar a liderar a que acho que é a melhor equipe da Fórmula 1.

É um grande momento para me juntar à McLaren. Eles estão claramente em uma trajetória ascendente. Eu estou animado para ter meu papel nas áreas de contribuição que fui convidado. Tenho um grande relacionamento com todos os acionistas.

Então, além da F1, estou muito feliz com o que a McLaren está fazendo no espaço automotivo. Mesmo que isso não seja de minha responsabilidade, os dois caminham lado a lado no ponto de vista da marca.

P. Que pensamentos você tem sobre a partida de Ron Dennis?

"Sou muito próximo de Ron. Eu tenho uma grande admiração pelo que ele e todos nesta equipe construíram. Ele é atualmente acionista e CEO. Eu falei com ele recentemente e como acionista ele terá um grande interesse no nosso sucesso. O que isso vai ser, eu não sei.

P. O que você mais procurará melhorar? Desempenho financeiro? Desempenho no circuito? A necessidade de um patrocinador grande?

Acho que tudo o que foi dito. Cabe a Eric (Boullier, Diretor de Corrida) e Jost (Capito, CEO da McLaren Racing) em suas respectivas equipes. Eles são responsáveis ​​por fazer um carro realmente rápido. Precisamos também melhorar os recursos. Há muito espaço no carro de corrida da McLaren que precisa ser preenchido com marcas de luxo.

Um patrocinador grande ajudará a nos impulsionar para frente, mas eu não acho que essa seja uma prioridade. Precisamos de parceiros e, em última análise, um patrocinador grande é um grande parceiro.

P. Existe uma escala de tempo para ver melhorias?

Eu ainda não comecei isso. Há muito para aprender, mas como em qualquer negócio você tem que mostrar o progresso o mais rápido possível. Houve bons avanços nos últimos 24 meses. Mas não vou prever posições. Temos de voltar a ganhar mais cedo do que mais tarde.

P. Você vai trazer uma nova cultura para a equipe?

Eu amo a cultura ganhadora que a McLaren representa, mas certamente quando eu me estabelecer e trabalhar em estreita colaboração com todos, haverá algumas maneiras de trabalhar que podem ser diferentes. A equipe de corrida deve transparecer isso.

P. Como você conheceu Eric Boullier e Jost Capito?

"Sobre Eric, o conheci ele quando ele estava na Lotus quando tivemos o patrocínio da Unilever com eles. Eu o conhecia de antes, mas foi a primeira vez que eu realmente consegui vê-lo trabalhar. Fiquei extremamente impressionado. Dados os desafios que a Lotus tinha, o que ele fez foi incrível.

Então, para dar a volta e chegar ao terceiro lugar no campeonato, o carro foi ótimo, eles tiveram uma ótima equipe e cultura. Eles claramente perfuraram acima de seu peso, e Eric era o líder da equipe lá. Sempre me impressionou.

Então, se você olhar para a McLaren desde que ele se juntou, eles avançaram. Tudo que eu vi, deixando de lado minha amizade, tem ido na direção certa.

Jost eu conheço há mais de 10 anos - ele era meu cliente na Ford e foi um vencedor em tudo o que eu vi ele fazer. Eu me dou bem com ele e ele é apaixonado pela marca. Ele é extremamente talentoso, então eu acho que nós temos muitos recursos.

P. Há alguma correção instantânea que você pode detectar imediatamente?

Não, ainda não estou suficientemente perto disso. É claro que tenho alguns pontos de vista, mas acho que é importante que eu me estabeleça e aprenda mais e não pense que sei trabalhar com informações limitadas. Precisamos ter uma proposta mais atraente para os parceiros comerciais e precisamos ir para frente porque há claramente uma razão pela qual não estamos ganhando tanto quanto deveríamos. Isso precisa ser abordado, mas eu não identifiquei como.

P. A equipe precisa se tornar um pouco mais humilde quando se trata de definir seu cartão de tarifa comercial dado desempenho recente?

Eu acho que todos nós na F1 - e eu gostaria de ver a McLaren liderar - precisamos pensar em parcerias com uma visão contínua e inovadora. Os patrocinadores estão mais sofisticados do que nunca sobre como eles compram. Nós precisamos ser uma equipe de corrida que adapta a forma.

A McLaren liderou o caminho e criou a F1 moderna, e eu gostaria que fizéssemos isso na pista e fora da pista.

P. Como seu trabalho na McLaren impactará em seu papel de presidente não-executivo do Motorsport.com?

Eu tenho algumas obrigações, como o Motorsport.com, a Cosworth e minha equipe de corrida (a United Autosports) e tudo isso vai seguir. Passei meu tempo do lado empresarial do Motorsport.com e não do lado editorial. Portanto, descobrir como criar melhores produtos e construir organizações não tem nada a ver com o editorial. Não vejo nenhum conflito. Será apenas um conflito se você transformá-lo em um, o que eu não tenho a intenção de fazer.

P. Você está ansioso para trabalhar com talentos como Fernando Alonso, Stoffel Vandoorne e Jenson Button?

Estou animado. Temos três pilotos inacreditáveis – dois deles sendo campeões do mundo. Como é legal isso. Eu não conheço Fernando bem, mas estou ansioso para conhecê-lo. Eu sou um grande admirador do que ele conseguiu. Ele é um piloto inacreditável. Eu diria que ele é o melhor. Eu acho que a maioria das pessoas concordaria comigo.

Stoffel é um jovem talento surpreendente, e o único GP que ele fez foi impressionante dadas as condições em que ele correu. Novamente, eu não o conheço bem, então ele é outra pessoa na equipe que eu preciso conhecer melhor. Jenson, no entanto, eu já conheço, e é uma grande pessoa.

P. Você já guiou muitas McLaren de GT, não?

Eu amo a marca McLaren, eu dirijo os carros de rua e corro com os carros de corrida - minha equipe de GT ganhou corridas com carros da McLaren. Sempre fui um homem da McLaren.

P. Você insinuou sobre um futuro em Le Mans para McLaren. Está no seu horizonte?

"Seria muito prematuro falar em entrar em outros campeonatos de automobilismo, já que a F1 é a prioridade um, dois e três. Mas nós fazemos corridas de GT e fazemos eletrônica para a IndyCar e a NASCAR. Fora da F1, Le Mans estaria na lista? Com certeza. A McLaren já ganhou Le Mans antes.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Pilotos Zak Brown
Equipes McLaren
Tipo de artigo Entrevista