Opinião: se Vettel está certo, quem pode resgatar a F1?

compartilhar
comentários
Opinião: se Vettel está certo, quem pode resgatar a F1?
Charles Bradley
Por: Charles Bradley
16 de fev de 2016 13:50

Podemos confiar o futuro da F1 aos atuais dirigentes influentes, ou precisamos recorrer a alguém novo? Charles Bradley se atenta ao passado para avançar

Marca da zona de DRS
Patrick Head, Diretor de Engenharia da Williams
Michael Schumacher, Ferrari e Mika Hakkinen, McLaren
Largada: Nigel Mansell, Williams lidera
Largada: Mika Hakkinen, McLaren e Michael Schumacher, Ferrari
Riccardo Patrese e Nigel Mansell, Williams
Keke Rosberg, Williams
Sebastian Vettel, Ferrari
Sebastian Vettel, Ferrari SF15-T
Sebastian Vettel, Ferrari
Mika Hakkinen, McLaren
Michael Schumacher, Benetton Ford

Quando se trata de pilotos de Fórmula 1, Sebastian Vettel tem uma visão mais ampla do que a maioria dos demais. Ele é muito consciente da história da categoria e, certamente, da sua própria posição de destaque dentro dela.

É por isso que devemos prestar atenção quando ele diz que F1 é "muito complexa" e "temos de ter cuidado para não perder as raízes do automobilismo".

Concordo plenamente com ele quando diz que o centro das atenções do esporte deve ser sobre qual piloto é o mais rápido. Afinal, quem olha para Mundial de Construtores antes do Mundial de Pilotos além dos chefes de equipe e seus investidores?

Dito isto, o automobilismo no auge não é apenas sobre os pilotos, ou até mesmo sobre pilotos e equipes com carros iguais, ou estaríamos todos estagnados em categorias como GP2 e GP3. É sobre pilotos, equipes e carros. Homem (ou mulher), cérebro e máquina.

F1 é um produto quebrado, uma causa perdida? Eu não penso assim, muito disso vem de uma percepção abaixo da negativa, mas ...

"Queremos a nosso velha F1 de volta"

Essa é uma reclamação que ouço regularmente dos fãs de F1, e é importante ouvi-los. Então, por que eles se sentem desiludidos?

Eu não posso falar por todos, mas a minha crítica com a direção que a F1 tem tomado é dupla: pneus de alta degradação e DRS. Vou prontamente admitir que ambos serviram a um propósito de levar mais a ação à pista - especificamente ultrapassagens. Mas eles conseguiram fazer isso com um verniz que serviu a um propósito para sua época, mas se desgastou.

Lembro-me de escrever reportagens na época em que foi adotada essa abordagem: "Você pode ter muito de uma coisa boa?" e "Quantas ultrapassagens são muitas ultrapassagens?"

Com o DRS, o que tivemos nos deixou insatisfeito: ultrapassagens em linha reta, ou como eu gosto de chamár "ultrapassagens Coldplay". Dificilmente rock and roll: está ultrapassando, claro, mas parece sem alma e sem graça de alguma forma.

E as equipes certamente parecem ter concentrado suas mentes em torno dos pneus de alto desgaste. Como um método para imprevisibilidade artificial, eu acho que eles já tiveram seu dia.

E por que ter artifício para seu próprio bem em um esporte que está destinado a ser puro?

Encontrar a combinação certa de corrida

Eu acho que o Vettel busca, e isso fica claro em seu comentário "temos que ter cuidado para não perder as raízes", é que a F1 precisa do tipo certo de corrida.

Não deve ser apenas o motor ou aerodinâminca ou pneu decidir qual o piloto que ganha, mas uma melhor mistura desses fatores - exalando um "pode o melhor piloto/equipe/carro vencer?”.

No momento, só nos parece realmente acontecer isto quando as condições meteorológicas são instáveis, ou houve falta de treinos.

Não é apenas o tipo certo de corridas, mas os fãs também almejam um retorno à ingenuidade de engenharia. Isso não é uma arte perdida, mas uma consequência de regulamentações cada vez mais rígidas.

Um engenheiro de renome me disse uma vez sobre seu espaço metafórico de manobra: "Antigamente, o espaço em que éramos autorizados a operar era como esses grandes containers que você vê em navios oceânicos; nos dias de hoje somos forçados a trabalhar em caixas de sapatos."

Mas como misturar todas essas variáveis para um resultado satisfatório? Primeiro de tudo você precisa saber exatamente o que você está tentando alcançar.

Se este fosse um par de sapatos, uma gama de sofás ou mesmo um longa-metragem, você teria pesquisadores de mercado organizando grupos de discussão para encontrar um senso comum.

Um painel de peritos poderia medir a reação - positiva ou negativa - e chegar a um plano de como melhorar.

Na verdade, sabemos o que os consumidores do esporte acham, pois uma grande pesquisa de fãs organizada pela GPDA nos mostrou. O que nós realmente precisamos agora é de alguém para ouvi-los e tomar algumas medidas.

E essa é a parte mais difícil.

A quem devemos recorrer?

Uma coisa é certa, não podemos permitir que qualquer grupo de trabalho de estratégia composto por membros da equipe atual decidam o que é melhor para o esporte a longo prazo. Nós estamos repetindo os mesmos erros.

Eles só vão discutir entre si até que a voz mais alta receba a aprovação, e isso não é exatamente o que queremos agora.

Então, quem é que precisamos?

1) Precisamos de alguém cujas credenciais são impecáveis.

2) Precisamos de uma pessoa que não fique presa a antigas convicções

3) Precisamos de alguém que tenha dirigido tanto uma equipe com  orçamento curto como de um fabricante com mais recursos.

4) Precisamos de alguém que está fora dos holofotes há algum tempo, tempo suficiente para que os seus laços antigos caducassem.

5) Precisamos de alguém com a visão de estabelecer um novo parâmetro; um que remonta a um passado glorioso, mas promete um novo futuro.

E é isso que o amigo e antigo chefe de equipe de Vettel, Christian Horner, insistiu no ano passado: precisamos de Ross Brawn.

E se nós devemos ter um comitê, e talvez devêssemos com Brawn no comando, então vamos ter cabeças brilhantes como Patrick Head, John Barnard e Gordon Murray dentro.

Nós precisamos de cérebros afiados que entendem o esporte, que compreendem sua verdadeira essência e exibiram um pensamento visionário para obter os fundamentos da engenharia.

Afinal, se nós estamos vamos ter mudanças na F1 como os cockpits fechados 'Halo' (e isso não é se, mas quando), então temos que combater isso com algo para manter a base de fãs a bordo.

Não podemos correr o risco de se afastar de qualquer outro seguidor do esporte a menos que haja a promessa de que o deixaremos empolgado novamente.

Próxima Fórmula 1 matéria
Pirelli dá mais liberdade a times na escolha de pneus

Previous article

Pirelli dá mais liberdade a times na escolha de pneus

Next article

Massa: só “bobagem” no novo carro fará Mercedes perder força

Massa: só “bobagem” no novo carro fará Mercedes perder força
Load comments

Sobre esta matéria

Categoria Fórmula 1
Pilotos Ross Brawn , Patrick Head , Sebastian Vettel Shop Now
Autor Charles Bradley
Tipo de matéria Comentários