Os desafios do Hermanos Rodriguez: prévia técnica do México

Na antepenúltima prova da temporada, a F1 desembarca em um dos circuitos mais intrigantes tecnicamente de todo o ano. Conheça os detalhes

A F1 chega pelo terceiro ano seguido à Cidade do México, que voltou a receber a categoria em 2015.

A F1 chega pelo terceiro ano seguido à Cidade do México, que voltou a receber a categoria em 2015.
1/11

Photo by: Mercedes AMG

O traçado atual é apenas um esboço da pista de antigamente. Com 4,304 km, o circuito Hermanos Rodriguez conta com longas retas, curvas apertadas e um sinuoso trecho do estádio. A prova terá 71 voltas.

O traçado atual é apenas um esboço da pista de antigamente. Com 4,304 km, o circuito Hermanos Rodriguez conta com longas retas, curvas apertadas e um sinuoso trecho do estádio. A prova terá 71 voltas.
2/11

Photo by: Divulgacao

Um desafio especial: é a pista com maior altitude do ano, situada mais de 2200 m acima do nível do mar. Como o ar é rarefeito, as equipes usam seu pacote de grande pressão aerodinâmica, mesmo se tratando de uma pista veloz.

Um desafio especial: é a pista com maior altitude do ano, situada mais de 2200 m acima do nível do mar. Como o ar é rarefeito, as equipes usam seu pacote de grande pressão aerodinâmica, mesmo se tratando de uma pista veloz.
3/11

No ano passado, a pole foi obtida na casa de 196 km/h de velocidade média. Trata-se, no geral, de um circuito lento.

No ano passado, a pole foi obtida na casa de 196 km/h de velocidade média. Trata-se, no geral, de um circuito lento.
4/11

O Hermanos Rodriguez tem duas longas retas – a da linha de chegada e a situada entre as curvas 3 e 4. Nelas, os carros já chegaram a alcançar 370 km/h nos anos anteriores.

O Hermanos Rodriguez tem duas longas retas – a da linha de chegada e a situada entre as curvas 3 e 4. Nelas, os carros já chegaram a alcançar 370 km/h nos anos anteriores.
5/11

Isso faz com que os motores sejam bastante exigidos. Ao todo, 47% da volta é feito de acelerador cravado.

Isso faz com que os motores sejam bastante exigidos. Ao todo, 47% da volta é feito de acelerador cravado.
6/11

São justamente estes os dois trechos de DRS na pista.

São justamente estes os dois trechos de DRS na pista.
7/11

Photo by: McLaren

O miolo também é complicado: há uma sequência de curvas para esquerda e para a direita, mas é preciso cuidado. Um erro em uma tomada pode comprometer o rendimento em todo o complexo.

O miolo também é complicado: há uma sequência de curvas para esquerda e para a direita, mas é preciso cuidado. Um erro em uma tomada pode comprometer o rendimento em todo o complexo.
8/11

Photo by: McLaren

No fim, chega-se ao ponto mais lento da pista, construído no interior do estádio de beisebol. Ali há uma curva feita a 65 km/h. Por isso, os freios são bastante exigidos no traçado.

No fim, chega-se ao ponto mais lento da pista, construído no interior do estádio de beisebol. Ali há uma curva feita a 65 km/h. Por isso, os freios são bastante exigidos no traçado.
9/11

Photo by: Mercedes AMG

O asfalto da pista do México é liso e escorregadio, o que diminui o desgaste dos pneus. Por isso, a Pirelli levará sua combinação mais macia: ultramacios, supermacios e macios.

O asfalto da pista do México é liso e escorregadio, o que diminui o desgaste dos pneus. Por isso, a Pirelli levará sua combinação mais macia: ultramacios, supermacios e macios.
10/11

É possível que os pilotos repitam o que aconteceu no ano passado e adotem estratégias de apenas um pitstop – isso, claro, o asfalto esteja seco.

É possível que os pilotos repitam o que aconteceu no ano passado e adotem estratégias de apenas um pitstop – isso, claro, o asfalto esteja seco.
11/11

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Evento GP do México
Pista Autodromo Hermanos Rodriguez
Tipo de artigo Conteúdo especial