Para “ajudar”, Massa aceitaria convite de federação

Piloto brasileiro se diz disposto a ajudar politicamente, desde que se sinta útil na formação de pilotos

Restando apenas duas corridas para o término da sua derradeira temporada de F1, Felipe Massa ainda analisa as possibilidades para o futuro, com a Fórmula E sendo o destino mais provável do piloto brasileiro.

Mas em Interlagos, um dos assuntos mais debatidos era a provável ausência de brasileiros no grid da principal categoria do automobilismo mundial a partir de 2018.

Para Massa, isso se explica pela falta de formação de jovens pilotos dentro do país.

“Está faltando a escola para preparar os pilotos” disse Massa. “A formação hoje é mais complicada porque existem menos categorias. Os pilotos precisam ter dinheiro para sair logo e ter a chance de correr lá fora. E os que estão lá ainda não demonstraram o talento necessário para estarem na F1 e acho que isso tem a ver com nossa escola, de como está o automobilismo hoje no Brasil.”

“Então, precisamos de mudanças, precisamos de uma confederação muito mais moderna, tentando seguir o que muitas fazem lá fora, com uma mentalidade diferente. Agora temos um presidente novo na CBA (Confederação Brasileira de Automobilismo), tomara que ele tenha uma mentalidade muito mais moderna e no que eu puder ajudar, estarei à disposição, pelo automobilismo brasileiro e pelo futuro do Brasil na Fórmula 1.”

Em seguida, Massa explica de que maneira uma confederação mais moderna poderia agir em prol do esporte no Brasil.

“A confederação não pode tirar dinheiro do bolso e ajudar um moleque a correr, nem montar uma categoria, mas acho que tem o poder e a força pra fazer com que isso aconteça, usando empresas e a força que eles têm para tentar ajudar pilotos... não sei, estou aqui dando um exemplo entre tantas opções possíveis para ajudar em fazer uma escola para pilotos, que merecem ter a chance de chegar lá, como muitas federações fazem."

"A Federação Francesa, a Alemã arrumam dinheiro para os pilotos correrem em outras categorias de base, saindo do kart. Se você não for atrás e criar uma mentalidade mais moderna, nada vai acontecer.”

Quando perguntado se ele aceitaria um cargo para representar o automobilismo brasileiro, Massa foi enfático: “Por que não? Isso tem que dar prazer e eu não vou entrar em nada que não me dê chances de fazer algo positivo.” Além disso, o ainda piloto de F1 admitiu que convites já chegaram, mas que neste momento, sua cabeça está focada em outras situações.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Pilotos Felipe Massa
Tipo de artigo Últimas notícias