Para Emerson, "Rush" já é um clássico, assim como "Grand Prix"

Bicampeão exalta filme que retrata a disputa pelo título de 76, entre Lauda e Hunt. Rubinho e Burti também elogiam

Rubens e Emerson, com Pietro Fittipaldi

Além de prometer um bom entretenimento, o filme Rush – No Limite da Emoção, que estréia nesta sexta-feira nos cinemas brasileiros, está plenamente aprovado também por retratar fielmente o ambiente da F1. Quem garante isto são ex-pilotos da categoria, que assistiram a uma pré-estreia do filme esta semana. Para o bicampeão Emerson Fittipaldi, que acompanhou de perto a disputa entre Niki Lauda e James Hunt, a história contada no filme está de acordo com o que aconteceu naquela temporada.

“Achei o máximo, parabéns! Esse deve ser o próximo filme clássico da F1, como foi Grand Prix”, disse Emerson ao TotalRace, lembrando do famoso filme da  década de 60. Emerson que pilotava já pela Copersucar-Fittipaldi naquele ano viu de perto o emocionante embate entre Lauda e Hunt. Os dois disputaram o título até a última corrida.

“Eles estão muito bem retratados no filme. O Niki, um cara super técnico, preciso, pés no chão; e o James era uma grande figura, um grande amigo, divertido, do jeito que ele é no filme. Obviamente que Hollywood exagerou um pouco a dose dos dois, por isso que é Hollywood, por isso que é filme”, observou o bicampeão.

Para Emerson, o filme retrata fielmente o esporte do qual sempre fez parte. “Acho que para o automobilismo é um filme espetacular. Traz um conceito do que era o automobilismo naquela época pra uma geração que não assistiu. Tudo isso era muito verdadeiro. E eu lembro aquela corrida que eu não larguei em Barcelona um ano antes, em 75, que morreram quatro pessoas”, disse o brasileiro, recordando do GP de Montjuic de 1975, quando Emerson se recusou a correr, alegando que os guard-rails não estavam bem fixados. Durante a corrida, o carro De Rolf Stommelen acabou alçando vôo, caiu fora da pista e matou quatro pessoas que trabalhavam na corrida – três bombeiros e um fotógrafo.

Ao contrário de Emerson, Rubens Barrichello e Luciano Burti não assistiram a temporada de 76. Rubinho tinha apenas 4 anos na época e Burti, um ano apenas. Mas os dois concordam que a história retratada no cinema mostra muito bem o ambiente do automobilismo e da F1.  “O filme ficou muito próximo da realidade. Quem assistir vai gostar do espetáculo, mas também vai entender quais são os riscos do automobilismo, a paixão dos pilotos pelas corridas e pela vitória. Tem um lado muito do automobilismo no filme e isso é bacana”, disse Burti.

“Eu adorei”, elogiou Barrichello. “Achei que transmite uma sensação exata do que é ser piloto. Alguns de nossos objetivos são conturbados, mas ao mesmo tempo seguimos com a emoção.  O filme mostra muito bem o que é a vida de um piloto”, resumiu Rubinho.

Para o atual piloto da equipe Medley, o filme mostrou um lado um tanto quanto duro do austríaco Niki Lauda, o que foi meio exagerado. “O filme passa um lado bem rude do Niki. Não sei se ele é exatamente assim. Sei que ele tem umas palavras duras, pois já ouvi algumas histórias, mas me trata super bem”, comentou Barrichello.

Escreva um comentário
Mostrar comentários
Sobre este artigo
Categorias Fórmula 1
Tipo de artigo Últimas notícias